cachorro com flores

Muitas plantas podem ser tóxicas para cães – jugglingpics/Creative Commons

Finalmente chegou minha estação favorita: a primavera. As árvores floridas, os pássaros fazendo ninho, as frutinhas amadurecendo, temperaturas mais altas, liberando roupas mais leves… Mas nem tudo são flores. Para quem tem pet em casa, esse também é um momento que exige bastante atenção e cuidados, pois a estação do ano mais colorida é sinônimo de alergias, irritação e pode elevar o risco de intoxicação.

“Assim como nós, os pets também podem ter alergias que se agravam nesta época. Além disso, parasitas externos são mais comuns durante esta estação do ano, e além das irritações na pele, são responsáveis pela transmissão de diferentes doenças, podendo algumas delas até mesmo agravarem quando não diagnosticadas a tempo”, alerta Priscila Rizelo, Médica-Veterinária e Coordenadora de Comunicação Científica da Royal Canin.

Pets também podem ter alergias

A primavera é sinônimo de flores, mas também de alergias respiratórias. Alguns pets sofrem com esse problema, causado por poeiras, fungos e pólen. Entretanto, a manifestação é diferente da dos humanos. Em vez de espirrar, os gatos e cães tendem a desenvolver coceiras e irritações de pele.

Isso ocorre, pois, ao ter contato com o alérgeno, o organismo desencadeia uma reação alérgica. Essa hipersensibilidade na pele pode causar sintomas como vermelhidão, coceira, descamação e outras lesões. Para tentar acalmar o local, o pet acaba lambendo e coçando a região, provocando feridas e irritações.

Para amenizar o problema, algumas medidas de prevenção devem ser adotadas, como limpar as patinhas dos pets ao voltarem dos passeios, manter a umidade do ambiente nos dias mais secos e deixar sempre à disposição água fresca. O tutor também deve evitar passeios em locais com uma grande quantidade de flores, para minimizar o contato do animal com o pólen.

Além disso, manter a cama e os locais favoritos de descanso do seu cão limpos, pois isso ajuda a remover a poeira e a caspa, um terreno fértil para parasitas que causam coceira.

Loções hidratantes também podem ajudar (específicas para pets, ok?!). E enquanto você cuida da pele do seu cão, preste atenção a qualquer arranhão. Se seu cão está machucando a pele, é hora de uma visita ao Médico-Veterinário.

cachorro comendo grama

Passeio na primavera deve ter o dobro de cuidado – smerikal/Creative Commons

Mantendo os parasitas externos afastados

Outro agravante desta estação é o aumento da incidência de parasitas externos, como pulgas, carrapatos, moscas e pernilongos. Eles são os responsáveis pela transmissão de doenças que, se não diagnosticadas a tempo, podem ser fatais. “Nesta época do ano, os passeios com os gatos e cães são mais frequentes, por isso, deve-se manter a aplicação do ectoparasiticida em dia”, indica a Médica-Veterinária.

Além disso, é preciso ter cuidado também com abelhas e formigas que, apesar de não serem insetos transmissores de doenças, podem ocasionar crises alérgicas nos pets através de suas picadas.

Pets e plantas: cuidado em dobro!

Sabemos que os pets são seres curiosos e que adoram novidades. A primavera é a melhor época para deixar a casa mais colorida com plantas e flores. Porém, antes de escolhê-las, é preciso saber que algumas espécies de plantas possuem substâncias que são tóxicas para os animais, podendo colocá-los em risco, caso entrem em contato direto com essas plantas ou ingerirem uma parte delas.

Plantas tóxicas mais comuns:

  • Lírio
  • Dama da noite,
  • Hera,
  • Glicínia,
  • Espada de são jorge,
  • Comigo-ninguém-pode,
  • Costela de adão,
  • Jiboia,
  • Copo de leite,
  • Samambaia,
  • Violeta,
  • Hibisco,
  • Avenca,
  • Rosa
  • Margarida
  • Antúrio
  • Crisântemo
  • Bem-me-quer
  • Tulipa

Mas isso não significa que você não pode tê-las em casa, só deve deixar em um local longe do alcance do seu pet. A não ser que você tenha um gato que sobe em tudo. Então melhor doar essas plantas para uma vizinha.

Mas caso você não queira abrir mão de um lindo jardim, você pode optar por ervas aromáticas.

Algumas plantas liberadas para pets são:

  • Hortelã
  • Alecrim
  • Salsa
  • Salsão
  • Manjericão
  • Coentro
  • Lavanda
  • Erva cidreira
  • Boldo
  • Amoreira
  • Pitangueira
  • Goiabeira
  • Jabuticabeira

“Antes de trazer um novo vaso de flor para casa ou pensar em redecorar o jardim, o tutor precisa estar atento e pesquisar se ela é venenosa e se apresenta algum risco à saúde do pet. É importante ter conhecimento sobre o assunto para que algo mais grave não venha acontecer”, declara a médica veterinária, Thais Matos, especialista da área de Confiança e Segurança da DogHero.

A especialista também orienta sobre os passeios em parques ou praças, pois cães são curiosos por natureza, e na hora da diversão eles podem ir direto bagunçar os canteiros de flores ou plantas. “Durante os momentos de lazer, o tutor também precisa estar atento para o cãozinho não ingerir alguma planta ou flor tóxica. E, se ainda, acidentalmente isso acontecer, o pet deve ser levado ao médico veterinário imediatamente”, completa Thais.

Se seu pet ingeriu uma planta tóxica

Nada de dar leite, água oxigenada ou qualquer outra invenção maluca. “O mais importante é ter calma, identificar o produto que foi ingerido e levar o pet ao veterinário”, diz Isabela Ribeiro, médica veterinária da Petvi.

Segundo a profissional, podem ser diversas as causas de envenenamento: plantas, alimentos tóxicos para cães, medicamentos, produtos de limpeza. “Só o profissional poderá tomar a decisão correta, por exemplo, proceder com a fluidoterapia (administração de soro), lavagem gástrica ou utilizar medicações injetáveis”, afirma.

Tomar cuidado com o pet não depende da estação do ano. É nossa responsabilidade manter um ambiente saudável e seguro para os nossos peludos.