Foto: PetsTags

Foto: PetsTags

 

As plaquinhas de identificação podem salvar a sua vida e a do seu pet. Saiba como usá-las e quais seus benefícios!

Com formatos de ossinho, coração, redondas e até de casinha, as plaquinhas de identificação ainda são um mito. Nem todos os proprietários entenderam a necessidade do uso dessa ferramenta, que tanto pode ajudar.

O maior medo e desespero de quem tem pet é perder seu amigo de quatro patas. Pode ser porque a coleira arrebentou e ele saiu correndo, ou foi atrás de uma fêmea no cio, ou mesmo por terem esquecido o portão aberto. São inúmeros motivos que podem fazer com que um animal se perca.

Ao usar a plaquinha de identificação, seu pet estará mais seguro. Quem acha-lo, irá entrar em contato para dar notícias de onde ele está. Muitos casos de perda de pets podem ser solucionados dessa forma.

Mitos Identificados

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

  • Não identifico meu cachorro, porque fica mais fácil de roubar

A Mariana Castro do ItPet Blog é veemente ao afirmar: “os benefícios de estar identificado com a plaquinha são muito maiores do que o medo do animal ser roubado. Pode haver uma pequena chance de sequestro, pelo fato de ter o telefone do proprietário, mas na maioria das vezes, facilita que o animal volte ao seu dono”

  • A plaquinha de identificação faz barulho e irrita meu animal ou a mim

Algumas pessoas realmente reclamam sobre o barulho que a plaquinha faz junto à coleira. Para isso, a Mariana tem uma ótima dica: “busque profissionais que coloquem o nome do pet e o telefone do proprietário na própria coleira. Assim, a identificação permanece, mas sem o incômodo do barulho”.

  • Só uso a plaquinha na hora de sair, para deixar meu cachorro/gato livre em casa

Muitos proprietários mantém a identificação da coleira do animal, a qual só utilizam na hora do passeio. A maioria das perdas acontecem por deslizes, como esquecer o portão aberto. Por isso, é muito importante deixar um colar, de material leve, constantemente no pescoço do seu pet, para que, mesmo que ele resolva pegar o elevador sozinho, ele volte para sua casa.

GPS e Chip

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

A utilização da placa de identificação ainda é a melhor saída. Apesar de haver outras possibilidades no mercado, como o GPS e o Microchip, a viabilidade no Brasil ainda é baixa. O GPS necessita de sinal de celular, que sabemos que nem sempre funciona. Já o microchip necessita de um leitor específico, o qual eu não tenho em casa e imagino que a maioria dos brasileiros também não.

Enquanto a tecnologia não está ao alcance de todos, vamos manter a plaquinha de identificação para garantir a volta do nosso amigo.

O que fazer se meu cachorro/gato sumiu?

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

A primeira coisa a se fazer é divulgar o desaparecimento. Para tanto, pegue uma foto muito bonita do seu peludo, faça panfletos e distribua nos comércios e residências próximas ao local que ele se perdeu. Aproveite as redes sociais e divulgue as fotos, contando o ocorrido.

Há um site chamado Procura-se Cachorro. Ele faz um cruzamento de dados entre os animais achados e os encontrados. Assim, auxilia a fazer o reencontro do animal perdido e seu dono desesperado (com toda razão).

O que fazer quando eu encontrar um animal perdido?

Foto: Cris Assanuma

Foto: Cris Assanuma

Tem certeza que ele está perdido? Ao ver um animal de rua, muitas vezes achamos que ele está perdido. Pergunte às pessoas da região se eles já viram o animal por lá. Verifique se há alguma identificação nele, algo que ajude na identificação. Tire uma foto do peludo e divulgue nas redes sociais. Aproveite para cadastrar o achado no site Procura-se Cachorro. Há maiores chances de encontrar o proprietário.

Campanhas de identificação

Foto: Procura-se Cachorro

Foto: Procura-se Cachorro

O site Procura-se Cachorro, em parceria com o ItPet Blog, lançou a BikeID. “Queria fazer uma ação educativa para o blog. A Andrea, do Procura-se Cachorro, entrou em contato comigo sobre a ideia de uma bike para distribuir gratuitamente plaquinhas de identificação. Topei na hora” relembra Mariana. A BikeID já esteve presente em diversos eventos.

O objetivo da bikeID é aumentar o sucesso de encontros. As perdas e fugas ainda não difíceis de serem evitadas, pois depende de diversos fatores, como qualidade da coleira, frequência de passeio, entre outros.

A história mais curiosa da campanha, até agora, foi de uma proprietária que já tinha a plaquinha e pediu outra para gravar a frase “sou diabética”. Assim, se sua mascote se perder, quem acha-la tomará mais cuidados com a doença.

Foto: PetsTags

Foto: PetsTags

Há outra campanha, com o mesmo objetivo, intitulada “Posse responsável, use tag!”. A Crislane Cintra, proprietária da PetsTags, empresa pioneira na gravação de placas de identificação em petshops, conta que muitos proprietários buscam o serviço de gravação após passarem por um susto. “Infelizmente alguns clientes chegam a nós depois que seu amiguinho já se perdeu e por sorte muita sorte foi achado. Aí correm e compram uma plaquinha de identificação! O que queremos é uma campanha de prevenção, pois a chance do animal identificado voltar pra casa cresce em 80% quando esta identificado” alerta Crislane.

Como deve ser a plaquinha de identificação?

Foto: PetsTags

Foto: PetsTags

O material depende do estilo de vida do animal. O mais importante é pensar em algo durável, que não perca e legível. Por isso, a plaquinha de aço cirúrgico, alumínio ou materiais semelhantes são os mais indicados.

Nelas, devem ser gravadas (como grava nome na aliança) as informações básicas, como nome do animal e telefone do proprietário. Não há necessidade de colocar o nome do proprietário e nem o endereço, somente se desejar.

Neste feriado, antes de viajar, coloque a plaquinha de identificação no seu pet. Segurança para todos!