cachorro correndo

Mraço Amarelo alerta sobre saúde renal em pets – Chris Johnson/Creative Commons

Cães e gatos podem ser acometidos por pedra nos rins, insuficiência renal (aguda e crônica), nefrite (inflamação do tecido renal), entre outras doenças renais. Essa temática é tão séria que diversas marcas de ração já desenvolveram produtos específicos para pacientes renais.

O grande problema da doença renal é o fato de ser muito silenciosa. Quando percebemos algo, já está em estado avançado, como a doença renal crônica (DRC). Ainda não há cura para a DRC e o tratamento deve ser feito durante toda a vida. A DRC é grave, está entre as maiores causas de morte dos felinos.

“Os gatos estão se tornando os pets preferidos de muitas pessoas devido ao estilo de vida das famílias, praticidade nos cuidados e claro, principalmente, por causa do amor e interação de carinho que esses animais proporcionam. Nós sabemos o quanto a companhia deles é importante para os tutores. Por isso, realizamos a Campanha Março Amarelo, com objetivo de dedicar um mês inteiro para estimular consultas e exames que possam prevenir a doença ou proporcionar tratamentos precocemente”, afirma Karina Toledo, coordenadora de marketing da Elanco.

Por isso, as consultas de rotina e os exames preventivos são fundamentais para manter os felinos protegidos da doença. O diagnóstico da DRC é mais frequentemente realizado quando o animalzinho já perdeu, pelo menos, 45% da sua função renal.

“Os principais sintomas da doença renal crônica são muita sede e aumento da ingestão de água, aumento da frequência de micção e volume da urina, indisposição, falta de apetite, emagrecimento, vômitos e/ou diarreia com sangue e mau hálito”, aponta o médico-veterinário Flavio Silva, supervisor de capacitação técnico-científica da PremieRpet.

Mas apenas os sintomas não bastam para o diagnóstico, que deve ser feito após exames clínicos e laboratoriais. Uma vez o problema identificado, o médico-veterinário irá prescrever um tratamento que inclui, além de medicamentos específicos, uma alteração na dieta do pet.

gato em meio a flores

Gatos são os mais acometidos por doença renal crônica – Begüm Konor/Creative Commons

Alimentação de animais com doença renal crônica

A alimentação deve ser motivo de atenção não somente quando já há a doença, mas para prevenção também. Os alimentos de alta qualidade (categoria super premium ou premium especial) devem sempre fazem parte da vida do pet para os cuidados preventivos. “Um alimento de baixa qualidade pode impedir um bom desenvolvimento da imunidade e facilitar o surgimento precoce da doença”, explica Flavio Silva.

No entanto, quando a enfermidade já está instalada, é necessário que, junto com o tratamento personalizado, o pet receba um alimento especial (conhecido como alimento coadjuvante ou nutrição clínica), que deve ser receitado pelo médico-veterinário.

Segundo Flavio, a mudança na dieta do pet é muito importante para minimizar os sintomas da doença e oferecer qualidade de vida. “A alimentação é um importante coadjuvante no tratamento, ajuda a diminuir a progressão da doença e proteger o tecido renal que ainda permanece saudável”, afirma, ressaltando que um animal nefropata que consome uma dieta específica para a sua doença pode ter uma sobrevida de até 2 anos.

Os alimentos específicos para cães e gatos com doença renal contêm formulação equilibrada, com teor reduzido de fósforo, altos níveis de ômega 3, baixo teor de sódio, alto teor de potássio, entre outros elementos. Mas vale lembrar que esses alimentos devem ser adotados apenas sob prescrição e não substituem o tratamento convencional, atuando como coadjuvantes.

pastor alemão em meio a flores amarelas

A prevenção e visitas regulares ao veterinário é a melhor estratégia – Paula Darwinkel/Creative Commons

Ingestão de água é muito importante para o paciente renal

A ingestão adequada de água também é imprescindível para manter a saúde do trato urinário. “Água limpa e fresca deve estar sempre disponível ao animal, e o tutor precisa ficar constantemente alerta, já que o doente renal crônico pode ficar desidratado facilmente”, conclui o especialista.

Alguns tutores relatam dificuldade na hora de oferecer água, principalmente para os gatos. Veja as dicas para facilitar a vida do humano e do pet:

  • Ofereça sachê e adicione água, formando como se fosse uma sopinha;
  • Deixe uma fonte não barulhenta e com água fresca;
  • Troque a água do pote pelo menos uma vez ao dia
  • Limpe o pote de água e/ou fonte diariamente somente com água e detergente.

A campanha – como parte da Campanha Março Amarelo, a Elanco criou uma série de canais e fóruns visando ampliar a troca de conhecimento com profissionais da área. “As peças da campanha tratam o tema de forma divertida ao mesmo tempo em que alertam sobre a gravidade do tema”, afirma Karina. Nas peças promocionais da campanha é possível brincar de encontrar a imagem de um gato em meio a uma série de imagens de casas e telhados. “A ideia é associar o comportamento dos felinos – que adoram se esconder – ao fato de que a doença também ‘se esconde’ e requer muita atenção por parte dos tutores e cuidado dos veterinários para ser descoberta precocemente e manter os animais protegidos da Doença Renal Crônica”, finaliza Karina.