Após a repercussão do acidente ocorrido com a delegação do time Chapecoense, na Colômbia, o país passou a ser visto como amigável e solidário. Isso também vale para os animais!

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

A capital Bogotá é a maior cidade da Colômbia. Apesar de estar a 2.600 m de altitude, e possuir temperaturas abaixo dos 23 graus, é extremamente agradável para humanos e peludos. Ainda não pode ser comparada à São Paulo, com seus estabelecimentos pet friendly e seus infinitos petshops. Porém, Bogotá está muito à frente em diversos quesitos, como parques e áreas arborizadas para passear com os cães.

São diversas praças e parques que servem de cenário para muita brincadeira e diversão, sem se preocupar com o sol forte. A minha recomendação é um passeio domingo pela manhã no parque da rua 93. Ótimo para cães e crianças, o parque está localizado em uma das melhores zonas de Bogotá. Ao redor, há diversos restaurantes pet friendly, onde pode tomar um café da manhã ou mesmo almoçar. Para saber sobre quais locais aceitam peludos, basta buscar pelo selo Pet Friendly na entrada ou buscar pelo aplicativo/site DogFriendly en Bogota.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Se quiser esticar o passeio, pode ir até a ciclo faixa andar de patins ou correr com o peludo. Algumas avenidas são fechadas aos domingos para lazer. Mesmo para quem não estiver com o peludo, vale a pena parar para observar os diversos cães que passam por lá. Inclusive em mochila ou cestinha da bicicleta.

Foto: Diego Rivera

Foto: Diego Rivera

Também aos domingos, há o encontro do grupo Pet Loss, no PetSpot 93. A médica veterinária Daniela Peñaranda Valero atende pessoas que perderam seu pet e estão em processo de luto. “Não há receita para lidar com a perda de alguém tão querido. Mas o mais indicado é conversar e compartilhar a dor. Pode servir de apoio para outras pessoas que estejam passando pelo mesmo” explica a veterinária.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Além de acolher este grupo, o PetSpot 93 oferece diversas opções de compras e atividades para tutores e peludos. Dá até para fazer fotos, almoçar, comprar ração, participar dos eventos, tomar banho, passar por consulta veterinária e contratar um dogwalker.

A empresa Wego profissionalizou o serviço de dogwalker em Bogotá. São ex-militares, com certificação e treinamento para lidar com cães, que passeiam com até quatro peludos por vez. São diversos planos oferecidos. Um deles pode ser requisitado pelo aplicativo. Se você for a um shopping que não aceita cães, por exemplo, você solicita um wego e ele vai passear com seu peludo enquanto você faz compras. Mas se você tem um amigo agitado, que precisa gastar muita energia, o wego oferece o passeio nas montanhas. Tipo um tracking canino, com direito a banho de cachoeira.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Tudo bem se você não tiver um cachorro. A Colômbia conta com um programa de adoção chamado Pedigree Adóptame. São diversas ONGs cadastradas, com cães e gatos para adoção. Infelizmente, há muitos animais em situação de rua. A cultura do abandono ainda faz parte de algumas famílias colombianas. Há diversos programas e projetos junto ao exército e polícia para conscientização da população. Não apenas contra o abandono, mas a favor da adoção.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

Para vivenciar um pouco este drama, fui visitar a Fundacion Voz Animal, que fica em Sopó, há 30 km de Bogotá. Encontrei mais de cinquenta cães, de diversos tamanhos e idade, brincando soltos pelo terreno gerenciado pela Maria Cristina. “Todos os cães que aqui entram são castrados e ficam disponíveis para adoção. Não há canil. Aqui, todos ficam soltos para brincar o dia todo” conta Maria Cristina.

Foto: Luiza Cervenka

Foto: Luiza Cervenka

No dia que fui, tive o prazer de acompanhar a adoção de uma das cachorrinhas. Os pais tinham ido buscar aquela por quem sua filha havia se apaixonado em uma visita na semana anterior. Era uma surpresa. Parecia que a cachorra sabia que era ela a escolhida. Enquanto a documentação era preenchida e assinada, a única que estava abanando o rabo e dando pulos enormes era a sortuda. Mas ainda há diversos esperando por um lar. Tem até cães de raça.

Na sua próxima viagem, inclua seu peludo e vá a Bogotá! Tenho certeza que você e ele irão se divertir muito e conhecer diversas pessoas super doglovers.

Mas as férias ainda não acabaram! Temos outros destinos para visitar! Por isso, acompanhe a série Luiza Viaja aqui.