Kasia/Creative Commons

Kasia/Creative Commons

“Feriado a vista! Eba! Vamos viajar!”

Pelos no banco, vômito no chão, cachorro andando para lá e para cá dentro do carro. Esse cenário não é divertido. Para alguns animais, a viagem pode ser uma tortura.

Como evitar a queda de pelos

Katherine McAdoo/Creative Commons

Katherine McAdoo/Creative Commons

Você sabe como evitar enjoos?

A cinetose (enjoo do movimento) atinge grande parte dos animais em passeios de carro. “O problema é causado pelo conflito dos órgãos sensoriais e o sistema vestibular (labirinto). Isso ativa a produção dos neurotransmissores, que por usa vez, atuam em diversos receptores do sistema nervoso, causando náuseas e vômito”, explica o médico veterinário Ricardo Duarte, professor da FMU e gastroenterologista da clínica All Care Vet. “A cinetose é um reforço negativo, semelhante à dor. É um sofrimento para o animal”, afirma.

Falou em enjoo, já pensamos naquele medicamento humano próprio para quem sofre nas viagens. Porém, quando o assunto é bicho, devemos dar preferência por remédios desenvolvidos especificamente para eles. “Além disso, [medicações humanas] podem causar efeitos colaterais indesejáveis”, esclarece Dr. Duarte “O único princípio ativo capaz de bloquear o sistema sensorial responsável pelo enjoo do movimento é o citrato de marapitant. A substância pode ser administrada com segurança mediante orientação do veterinário, de acordo com o peso do animal”, recomenda.

Existe um comprimido chamado Cerenia, que é fácil fácil de dar aos animais, pois tem sabor agradável (palatável), não causa sedação e age rapidamente, em até duas horas.

Há vários outros produtos no mercado que podem lhe ajudar a transportar seu peludo com segurança e sem sujar seu carro. Veja alguns:

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

– capa protetora de acento. Há vários modelos no mercado. A mais recente foi lançada pela Mopar, criada especialmente para pets chiques que andam de SUV. O produto é feito em parceria com a Cooperárvore, programa de responsabilidade social da Fiat Chrysler Automobiles (FCA). Todas as capas evitam que os animais transitem pelo carro, que caia pelo nos bancos.Mas o que garante a segurança do cão é o uso do cinto de segurança canino.

Foto: www.worldtravelguide.com

Foto: www.worldtravelguide.com

– caixa ou bolsa de transporte. A mais aconselhável é a de material rígido. Nela, o pet deve conseguir se movimentar, ao ponto de dar uma volta em torno do próprio corpo.

– cadeirinha ou assento para transporte. Se seu pet é pequeno, você pode optar pela cadeirinha. Ela é fixada no encosto do banco traseiro. Não se esqueça: o que dará a segurança é o uso do cinto de segurança que deve ser conectado na própria cadeirinha.

Neil Bird/Creative Commons

Neil Bird/Creative Commons

– cinto de segurança. Há dois tipos de cinto de segurança, o que prende no próprio cinto do carro e o que prende no engate do cinto. Em ambos os casos, sugere-se que o cinto para pets seja conectado a uma coleira peitoral, para aumentar o conforto e evitar estrangulamento do animal.

Código de Trânsito para transporte de animais

Timo/Creative Commons

Timo/Creative Commons

Não existe regulamentação federal específica determinando como o transporte de animais deve ser feito. Por outro lado, o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) estabelece o que não pode.

O artigo 252 proíbe transportar animais à esquerda do motorista ou acomodado entre seus braços ou pernas. Nada de levar cachorro no colo, ou na janelinha do motorista.Essa infração média dará quatro pontos na habilitação e multa no valor de R$ 85,13. Já o artigo 235 do CTB define que o transporte de animais não pode ser feito na parte externa do veículo, mesmo que dentro de caixas de transporte. Essa infração é grave e o condutor autuado receberá cinco pontos na habilitação, além de multa de R$ 127,69.

Na falta de legislação específica, o ideal é escolher o produto que melhor se adapta a seu pet e colocá-lo no banco de trás, para garantir mais segurança a todos que estão no carro. Não é recomendado que o animal seja transportado solto, circulando livremente pelo veículo, pois isso pode tirar a visibilidade e atenção do condutor. Para isso tem o artigo 169: dirigir sem atenção ou sem os cuidados indispensáveis à segurança pode configurar infração leve, com três pontos na habilitação e multa de R$ 53,20.

Mesmo com todas essas orientações, seu bichinho não gosta de andar de carro?

É importante associar o passeio de carro com algo positivo. Cães que andam de carro somente para ir ao veterinário, passam a ter medo do veículo. Por isso, acostume levá-lo a locais legais e divertidos.

bulldog1/Creative Commons

bulldog1/Creative Commons

Antes de sair de casa, faça um treinamento para seu pequeno andar de carro. Comece o treino com o veículo parado. Dê um brinquedo que ele goste muito. Quando ele estiver mais calmo, ligue o carro, aguarde uns 5 minutos e então saia para dar uma pequena volta. Quanto mais passeios curtos ele fizer, melhor. Leve-o para comprar pão, ir ao supermercado ou mesmo ir à farmácia. Sempre que chegar em casa, dê um petisco ou brinque de algo que ele goste muito. Isso fará com que ele associe o carro a algo legal.

Mas se o problema do seu pequeno for ansiedade e agitação dentro do carro, só inicie o passeio quando ele estiver bem calmo. Enquanto ele estiver agitado e andando no carro, ignore-o e não saia com o carro. O mesmo vale para aqueles que choram. Nada de broncas, ignorar ainda é a melhor opção.

Você também pode treinar seu pet na caixinha ou bolsa de transporte, para se sentir bem e seguro . Para isso, dentro de casa, deixe a caixa aberta, com um cobertor e um brinquedo dentro. Não force a entrada. Deixe-o cheirar e se sentir a vontade para explorar a nova caverninha. Quando ele entrar, dê um petisco ou algo que ele goste muito de comer. Quando ele já estiver bem adaptado, treine fechar a portinha, dar um petisco pela grade e abrir a portinha. Aumente, aos poucos, o tempo que a portinha ficará fechada. Quando for transportá-lo no carro, deixe sempre esse cobertor e um brinquedinho para que ele se sinta mais confortável.

Chris Goldberg/Creative Commons

Chris Goldberg/Creative Commons

Se a viagem for longa, faça pequenas paradas para dar água e levar seu pequeno para fazer xixi, ou trocar a fraldinha da caixinha de transporte. Agora você já pode passear tranquilo com seu pet, seja para visitar aqueles parentes no interior ou ir até um parque para passear.

Mas cuidado com o frio. Leia aqui os cuidados necessários para essa época.

Próxima semana falaremos sobre o calendário de vacinação. Você sabe quais vacinas seu pequeno deve tomar? Mas por que tanta vacina? Para que elas servem? Saiba essas e outras respostas no dia 03/06.