O ano mal começou e Hollywood já foi palco de uma das maiores polêmicas do mundo animal. Vazou na internet o making off de uma das cenas do lançamento da Universal Pictures “Quatro Vidas de um Cachorro”. Com claras práticas de maus tratos ao pastor alemão, o filme sofre um imenso boicote por parte dos ativistas e amantes dos animais. Mas o que será de fato que aconteceu?

Foto: divulgação

Foto: divulgação

 

Para evitar ainda mais polêmicas, a pré-estreia do filme foi cancelada nos EUA. Porém, aqui no Brasil, a responsável pelo filme, Universal Pictures, manteve suas sessões. Mas antes mesmo do filme iniciar, a gerente de marketing da empresa se posicionou, da mesma forma que o comunicado oficial à imprensa, emitido há alguns dias.

A produtora, Amblin Entertainment, e a distribuidora, Universal Pictures, garantem estarem analisando as circunstâncias mostradas na filmagem divulgada pelo site “TMZ”. Porém, alertam que houve edição no vídeo. Afirmam ainda, que foram vários dias de ensaio das cenas realizadas na água para garantir que Hércules, o pastor alemão, se sentisse confortável com as gravações. No dia da filmagem, Hércules não quis gravar as imagens retratadas no vídeo divulgado. Assim, a produtora reforça que a equipe da Amblin não continuou as filmagens da cena.

Para o treinador Luís Oliveira, adestrador de cães para filmes publicitários, houve sim uma cena de desconforto para o cão Hércules, independentemente da edição. “Foi muito amadorismo escalar para a gravação de um filme, um cão que não estivesse habituado com a locação e roteiro” enfatiza Luís.

Foto: @pipoca_net

Foto: @pipoca_net

Responsável por treinar a Beagle Pipoca, que ficou famosa nos comerciais da Net, Luís explica que o treinador costuma receber o roteiro até dois anos antes do início das gravações. Tudo isso para poder fazer um casting e escolher o melhor animal para aquele papel. Após a seleção, o cão passa por treinamento específico, para que se sinta à vontade com o cenário e roteiro. “No caso deste filme, escolheram mal o cão. A raça pastor alemão não tem muita aptidão e desenvoltura na água, mesmo com treinamento” afirma Luís.

Acostumado a gravar com diversos diretores, Luís diz que a vida e a integridade do animal devem vir sempre em primeiro lugar. “Caso o diretor aponte alguma cena que o cão se sinta desconfortável ou inseguro, é papel do treinador se posicionar para que seja encontrada uma outra solução” alerta.

No caso do filme “Quatro Vidas de um Cachorro” a situação é ainda mais grave, pois nos EUA há um órgão regulador de proteção aos animais (American Humane Representative), que acompanha toda e qualquer filmagem que envolva bichos. Se for detectado algum tipo de maus tratos, é papel deste órgão parar a gravação imediatamente. O mais estranho é que, após toda a repercussão negativa, o funcionário deste órgão, que acompanhava as gravações com Hércules, foi desligado da empresa.

A Birds and Animals, responsável pelo treinamento dos cães para o filme, afirma, em comunicado em seu site, que o vídeo divulgado foi editado maliciosamente e de uma tal forma a passar a impressão de maus tratos. Mas que isso jamais aconteceu.

Apesar de todo o lamentável ocorrido, Luís é enfático ao dizer que treinadores amadores, como os contratos para este filme, são raros no mercado brasileiro e americano. “Já trabalhei com profissionais que costumam atuar em filmes com animais em Hollywood e garanto que eles preservam a saúde física e mental do animal. Não podemos generalizar” analisa.

Luís garante que todos os animais não vêm as filmagens como trabalho, mas como diversão. “Cães que não lidam bem com o ambiente de gravação, não devem ser escalados” ressalta.

Após assistir ao filme e chorar muito, fica uma sensação de desconfiança. Se Hércules passou por uma situação minimamente constrangedora e de muito medo, será que outros cães, utilizados nas gravações, não passaram pelo mesmo?!

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O filme que tinha tudo para ficar na história como o “Sempre ao seu lado” versão espírita, perdeu toda sua credibilidade por querer levar realismo demasiado às telas. Para isso, não poupou esforços e não observou o próprio slogan do filme “todo cachorro existe por uma razão” e esta razão é amar e ser amado.