mãe com filhotes

É muito importante manter o filhote com a ninhada até 60 dias
Lawrence Wright/Creative Commons

Após nove meses de gestação (em média), uma mulher dá a luz a um bebê. Durante esse período, há muita espera, ansiedade, mas principalmente preparo. Porém, a chegada de um bebê peludo, muitas vezes, não permite esse tempo para preparar ambiente e conhecimento para oferecer o melhor para os cães e gatos. O vínculo humano-animal acontece desde o primeiro contato e os benefícios desta relação são inúmeros para as duas partes. Mas, existe uma etapa anterior à chegada do pet até um lar que também requer cuidados, alguns até mesmo prévios à gestação.

Filhotes a caminho e os cuidados com a mamãe

A gestação de uma gata e de uma cadela dura, em média, em torno de 60 a 66 dias. A Médica-Veterinária e Coordenadora de Comunicação Científica da Royal Canin, Priscila Rizelo, pontua que durante os primeiros dois terços da gestação, o corpo concentra-se em ganhar gordura para desenvolver os filhotes e armazenar para a produção de leite. No último terço, todo peso que ela ganhar é proveniente do crescimento dos bebês. Na reta final, a fêmea pode apresentar mudanças no comportamento e diminuição do apetite.
Durante a gestação, uma boa alimentação é de extrema importância para ajudar a garantir a saúde da mãe e o bom desenvolvimento dos filhotes. Para isso, uma cadela ou gata prenha, por exemplo, precisa de até 30% a mais de energia. Na lactação, os requerimentos energéticos são ainda mais intensos, podendo ser 2 a 3 vezes maiores do que um adulto não gestante. Além disso, durante a gestação, especialmente nos dois terços iniciais, as fêmeas precisam receber nutrientes específicos para a formação adequada dos fetos. Dessa forma, é fortemente recomendado que um Médico-Veterinário acompanhe todo o pré-natal.
Assim que chega ao mundo, o grande desafio do filhote é tornar-se autônomo para respirar, se aquecer e se alimentar. Para apoiá-lo e dar mais conforto à mãe, é importante preparar adequadamente a caixa de parto. A caixa de parto, ou “ninho”, pode ser uma caixa plástica ou de outro material fácil de higienizar, revestida com um material absorvente descartável ou lavável (como jornal em tiras, papel toalha, toalhas, tapete higiênico) e aconchegante. Pode-se disponibilizar mais de uma caixa para as gatas muito seletivas. O ambiente deve ser extremamente tranquilo, livre de “curiosos”, além de ter uma temperatura agradável e umidade apropriada. Nas primeiras semanas de vida os filhotes não tem a capacidade de controlar a temperatura corporal, por isso o controle de temperatura e da umidade do ambiente é imprescindível.
mãe com filhote

Cuidado com filhotes é fundamental para manter a saúde do animal – Loves_TaiShan/Creative Commons

Nascimento da ninhada

Priscila explica que os filhotes precisam mamar o mais rápido possível após o nascimento. Em vez de ingerir leite, se nutrem de colostro, uma substância produzida pela mãe que fornece anticorpos que irão proteger o filhote durante as primeiras semanas de vida. Outro cuidado importante após o nascimento é a pesagem, já que o peso de nascimento e a taxa de crescimento durante as primeiras 48 horas são parâmetros-chave para que se descreva a condição de uma ninhada e possíveis filhotes com risco de mortalidade neonatal sejam identificados.
Por isso a grande importância de buscar criadores de confiança, que se dediquem ao máximo a essa fase, para garantir filhotes fortes e saudáveis.

Os primeiros meses de vida

Por volta da quarta semana de vida, os cães já apresentam a visão e audição reativas à luz e ao som, respectivamente. Já os gatinhos, na 4ª semana o olfato está maduro e a audição está bem desenvolvida. Na sexta e sétimas semanas, os felinos começam a desenvolver padrões de sono de adultos e habilidades motoras, como relata Priscila.
Também é nesta fase que os primeiros dentes de leites começam a nascer e os filhotes começam a se interessar pelo alimento da mãe. Este é o momento onde pode-se iniciar o desmame, que deve ser lento e gradativo, respeitando o desenvolvimento do comportamento alimentar de sucção, lambedura e posteriormente, mastigação. Os alimentos úmidos com textura macia são as melhores alternativas para o desmame. Sempre com acompanhamento e orientação do médico veterinário.
Durante esse estágio, entre a 4ª e a 8ª semana de vida, ocorre a “janela de imunidade” – quando o nível de anticorpos fornecidos através do colostro da mãe já não é mais suficiente para garantir a imunidade do filhote, mas também é alto o suficiente para interferir na efetividade da vacinação, ou seja, o filhote fica mais vulnerável a doenças. Por isso é fundamental seguir o protocolo de vacinação estabelecido pelo Médico-Veterinário, respeitando todas as datas de reforços.
O sono ajuda a fortalecer o sistema imunológico e, portanto, garantir que os filhotes tenham um lugar confortável e calmo para dormir é vital. Além disso, uma alimentação específica para essa fase de vida é necessária para estimular o desenvolvimento de suas defesas naturais e crescimento, através de nutrientes específicos.
filhote

Cuidado com alimentação e temperatura dos filhotes é fundamental – Mijke Schaap/Creative Commons

Novo membro da família

Com o desmame feito, o filhote após os 60 dias está pronto para encontrar uma família, além de ser imprescindível cumprir todo o protocolo de vacinação. A infância do pet é um momento extremamente gratificante para os tutores, mas também é um momento de enormes desafios e curvas de aprendizado acentuadas para o animal. A convivência com a mãe e irmãos de ninhada durante as primeiras semanas de vida terão influência na socialização e no comportamento do filhote, por isso, não tenha pressa de levá-lo para casa muito jovem.
“É importante frisar que a procriação intencional de gatos e cães deve ser realizada por profissionais, e com muito respeito às limitações do animal e visando sempre o bem-estar dele” alerta Priscila.

Adaptação e alimentação

O alimento para gatos e cães filhotes deve ser de alta qualidade e adequado à idade, raça ou porte. Tudo isso para garantir uma nutrição desenvolvida para as necessidades específicas deste momento.
Os pets adoram rotina. Por isso, uma boa dica é sempre fornecer o alimento no mesmo horário. Ao invés de deixar o alimento à vontade e disponível o tempo todo, respeite a quantidade indicada na embalagem e forneça em pequenas porções ao longo do dia, o que evitará o sobrepeso no filhote. Também é muito importante realizar a transição de alimentos de forma gradual quando a dieta do filhote mudar.
Os filhotes são curiosos e gostam de explorar e, por isso, é importante garantir que a casa esteja segura antes de recebê-los. Cuidado com plantas tóxicas, objetos delicados e quebráveis. Restrinja o acesso à piscina e escadas. Telas nas janelas são fundamentais, especialmente para gatos.
Quando o filhote chegar à casa, o ideal é restringir o espaço e ir liberando aos poucos. Isso para facilitar o animal a encontrar alimentação, água, local de eliminação e caminha. Além de mantê-lo em segurança e auxiliar na educação sanitária. É muito mais fácil o animal buscar o local de eliminação se estiver próximo a ele, ao invés de ter que se deslocar e se perder pela casa.
Verifique se possui tudo o que precisa para cuidar do filhote e ajudá-lo a se instalar no novo lar como, por exemplo: um local seguro e confortável para descanso, brinquedos interativos, comedouros e bebedouros, coleira e guia para os cães, material de limpeza seguros, equipamentos para higiene, etc.
A responsabilidade da saúde e bem-estar dos cães e gatos é e sempre será dos seus tutores.