cachorro deitado

Alteração de comportamento pode ser indicativo de dor – Pete Markham/Creative Commons

Fui fazer o atendimento de um cachorro lindo e enorme. A queixa: agressividade. O cachorrão estava atacando diversas pessoas, inclusive suas tutoras. Para salvar a relação familiar, fui chamada.

Ao longo da consulta, observei o jeito diferente do cão andar. Ao deitar, ele preferia esticar as patas ao invés de dobrá-las. Suas tutoras me relataram que a agressividade piorava após o dia de ida na creche. As mordidas normalmente aconteciam quando tentavam mexer nele ao estar deitado.

Juntando todas essas informações e observações, pensei na possibilidade dele estar sentindo dor. Foi quando a tutora me contou que ele foi atropelado quando filhote, chegou muito magro, desnutrido e sem conseguir andar direito.

BINGO!

O caso não era simplesmente comportamental, mas clínico! A dor do cachorro gerava tamanho desconforto, que a forma dele tentar se preservar do desconforto, era atacando quem tentasse se aproximar dele.

Imagina ele quietinho, deitado no sofá, finalmente em uma posição confortável, sem dor. Vem alguém para provocar para brincar ou para fazer carinho, forçando que ele saia daquela posição. A única forma de ser respeitado e atendido era mordendo para a pessoa se afastar e deixá-lo em paz (eu também morderia no lugar dele).

Muitas vezes, comportamentos tidos como agressivos podem estar escondendo dor. Nem sempre ele vai aparentar que está em desconforto. A mudança de comportamento pode ser um ótimo indicativo de dor.

Sinais que o cachorro está com dor

  • Se esconder
  • Ficar mais parado
  • Rosnar ou morder quando tentam pegá-lo
  • Lamber demais um único local
  • Diminuir ingestão de comida
  • Não querer passear
  • Evitar fazer coisas que antes ele amava
  • Ficar com as orelhas para trás
  • Corpo mais tenso
  • Ter mais medo
gato deitado

Orelhas lateralizadas e pupilas dilatadas pode ser sinal de dor em gatos – Rikki’s Refuge/Creative Commons

Sinais de dor em gatos

Quase nenhum!

Os gatos são predadores, mas também presas. Demonstrar qualquer sinal de fragilidade pode ser uma chance de ser predado com mais facilidade. Por isso, devemos prestar muita atenção aos pequenos sinais e mudanças de comportamento dos felinos.

  • Não conseguir mais ou evitar subir em locais altos
  • Não abaixar para fazer as necessidades
  • Ficar com as orelhas lateralizada
  • Estar com pupila mais dilatada
  • Evitar se movimentar
  • Pelos arrepiados

Esses não são os únicos sinais de dor em gato. Por isso, é muito importante fazer o check-up anual. Assim, o médico-veterinário poderá avaliar o animal e ter certeza se ele está com dor ou não. No caso de gatos, eu sugiro fazer a consulta com um veterinário especialista em felinos, já que há um olhar mais atento aos sinais de dor. Em alguns casos, só teremos certeza se há dor ou não, fazendo uso de medicação e observando se há ou não mudança de comportamento.

No caso do cachorrão, eu pedi para passar com o ortopedista, fazer exames para constatar minha suspeita. Dito e feito! Ele tem uma má formação óssea que gera bastante dor. Vai precisar se muitas sessões de fisioterapia. Só quando ele estiver sem dor que meu tratamento realmente terá resultados.

Em diversos casos, o comportamento pode ser o primeiro sinal de que algo não está bem. É nosso dever ficar de olho em tudo isso para oferecer a melhor qualidade de vida para os nossos peludos.