FrANk.H ^.^/Creative Commons

FrANk.H ^.^/Creative Commons

“Tchau, mamãe já volta. Fica bem, tá?! Não apronta! Fica bonzinho! Não fica triste! Não faz essa carinha que corta meu coração! Tó um petisco para você ficar mais feliz. Mamãe já vem!”

Se identificou com alguma parte dessa “sessão despedida”?

Deixar o pequeno sozinho em casa e sair para trabalhar é sempre uma tarefa difícil. Ainda mais quando ele faz aquela carinha de dó. Quando o animal não consegue lidar com essa separação, mesmo que momentaneamente, pode ficar estressado ou deprimido.

Os cães são animais sociais e não gostam de ficar sozinhos. Já os gatos, como dormem muito, conseguem passar mais tempo sozinhos. Porém, cães e gatos podem sofrer com a ansiedade de separação. Mais comum em cães, esse problema comportamental pode gerar problemas clínicos sérios.

Você sabe como identificar se seu peludo está sofrendo de ansiedade de separação?

Os sintomas mais comuns:

Bryce Bradford/Creative Commons

Bryce Bradford/Creative Commons

– destruição: o pet destrói a casa somente na sua ausência. Quando você está em casa, ele é um santo, super bonzinho. Basta você sair por cinco minutos, que encontrará sua casa revirada, como se tivesse passado um furacão por lá.

– vocalização: campeão de reclamações e multas em condomínios, os latidos compulsivos e incessantes são típicos de cães que sofrem ao ficar sozinhos.

tifotter/Creative Commons

tifotter/Creative Commons

– eliminação inapropriada: xixi no sofá ou em cima da cama somente quando você sai e deixa-o sozinho.

– inapetência: não come e nem bebe água se não for com você.

Bill Selak/Creative Commons

Bill Selak/Creative Commons

– automutilação: se lambe ou morde apenas quando fica sozinho.

– excesso de euforia: quando você chega em casa, pula, late e faz a maior festa. Se ele falasse, diria: “Ueba! Você voltou! Uhuuu!!!”

Você pode pensar: “ele fez  xixi e destruiu algo por birra ou vingança”. Na verdade, ele fez isso porque não aprendeu a ficar sem você. Ele fica estressado quando se vê sozinho e, muitas vezes, faz xixi ou cocô por medo.  Destrói a casa por falta do que fazer. Late para pedir ajuda, por estar muito agitado sem você. Quer que você volte logo. Ele sofre com essa separação e pode desenvolver problemas mais sérios, como depressão e medo excessivo. Desesperador, não é?! Mas tem solução.

angela n./Creative Commons

angela n./Creative Commons

Mesmo sem querer, muitas vezes, atitudes e expressões corporais estimulam tal comportamento inadequado. Quando você mostra que é triste sair, ao dar “tchau”. Quando faz a maior festa para ele, ao chegar em casa. Quando deixa o pequeno sem nada para fazer durante a sua ausência.  Quando fica o tempo todo grudado com o peludo, enquanto está em casa. Todas essas situações auxiliam para que ocorra a chamada ansiedade de separação.

Isso quer dizer que não posso fazer festa quando chego em casa?

O ideal é não dar “tchau” ao sair e nem fazer festa ao chegar. Ao se despedir e fazer festa ao chegar, você mostra que é muito mais legal estar com você do que ficar sozinho. Assim, ele passará o dia todo ansioso pela sua chegada.

Outras dicas que diminuem os problemas de separação são:

Roel Wijnants/Creative Commons

Roel Wijnants/Creative Commons

– passear antes de sair: ajuda a diminuir a ansiedade e a deixa-lo mais calmo devido ao exercício. Além disso, é um tempo divertido que vocês passam juntos antes de se separarem.

Pup Fan/Creative Commons

Pup Fan/Creative Commons

– deixar brinquedos e desafios: quanto mais novidades e atividades ele tiver na sua ausência, mais rápido o tempo sem você irá passar. Sua falta deixa de ser um problema e passa a ser mais divertido. Procure por brinquedos interativos ou faça desafios em casa mesmo. Cenoura dentro de uma caixa de papelão sempre traz ótimas horas de divertimento.

– estar em casa e deixa-lo em outro ambiente com atividade: mostre para ele que mesmo com você em casa, não ficarão o tempo todo juntos. Ele pode ser feliz, com um brinquedo ou um ossinho, sozinho no cantinho dele.

– reservar o brinquedo que ele mais ama: dê o brinquedo que ele mais gosta só quando ele for ficar sozinho. Seja por 5 minutos ou por horas. Quando voltar, guarde o brinquedo em um lugar que ele não alcance.

– sair todos os dias por períodos mais curtos: mesmo que você vá comprar pão, faça todo o ritual da saída e volte em pouco tempo. Não saber exatamente quanto tempo você ficará fora, ajuda a diminuir a ansiedade.

– fazer o ritual de saída, mas não sair: muitos cães associam o fato de colocar tênis ou pegar a chave do carro, com o momento de ficar sozinho. Só esse ritual de sair já pode causar ansiedade. Faça toda a movimentação, como se fosse sair e fique em casa. Isso ajudará a desassociar o ritual e a ansiedade de ficar só.

André Sá (EverydayBlues)/Creative Commons

André Sá (EverydayBlues)/Creative Commons

– deixar um som relaxante: colocar uma música ou mesmo deixar a tv ligada em canais mais tranquilos, pode ajudar a minimizar a ansiedade de ficar só.

Dana/Creative Commons

Dana/Creative Commons

– day care ou pet creche: uma ótima opção é levar seu cãozinho para passar o dia brincando com amigos, em uma creche preparada especificamente para ele.

Josh Liba/Creative Commons

Josh Liba/Creative Commons

– momento relax: é importante que seu pequeno entenda que pode ter sua atenção, mesmo quando estiver tranquilo. Faça carinho e dê mais atenção quando ele estiver calmo e relaxado, sem requisitar sua atenção.

– e o mais difícil de todos: ignore quando ele latir, pular, pedir colo e fizer toda aquela festa. Principalmente quando você chegar em casa. Só dê atenção quando ele estiver calmo e tranquilo.

Ufa! Essa semana não foi fácil. Dia 20/05, falaremos sobre as doenças do frio. Você sabe quando deve colocar roupinha no seu bichinho de estimação? Já vacinou seu cãozinho contra a tosse dos canis? É na próxima quarta-feira. Até lá!