Foto: Hospital Albert Einstein

Nova lei do município de São Paulo amplia possibilidades de levar animais de estimação para visitas hospitalares, contribuindo para a recuperação do paciente

Chega de saudade: agora, cães, gatos e outros animais domésticos podem ser levados para visitar pacientes em hospitais municipais de São Paulo, por conta da lei nº 355/2017, recentemente aprovada. A iniciativa se une a hospitais privados que já abrem as portas para os pets, por considerarem que este contato contribui para a recuperação dos pacientes.

Apesar da lei ter entrado em vigor no ano passado, alguns hospitais particulares já liberavam a visita de animais terapeutas e também dos pets dos pacientes internados.

Um dos pioneiros nesta causa foi o Hospital Israelita Albert Einstein. Com objetivo de oferecem serviços centrados no paciente, em ambientes saudáveis e propícios para a cura, algumas ações foram implementadas. Dentre elas, a possibilidade de que pacientes recebam a visita de animais de estimação no Hospital.

A entidade reconhece que receber a visita de seus animais de estimação, sempre foi um desejo dos pacientes e seus familiares. Segundo o hospital, o objetivo é favorecer a recuperação dos pacientes em todos os níveis, físico, mental, emocional, social e espiritual. Assim, decidiu-se transformar essa solicitação numa rotina com procedimentos e regras claramente definidos.

Para que pacientes e profissionais não corram risco, foi desenvolvida uma política de segurança para a visita do animal de estimação. Hoje, toda Instituição está envolvida e sensibilizada com o tema.

Desde a implementação, em 2009, o hospital recebeu mais de 640 visitas de gatos, coelho e pássaros. Todavia, os pedidos e visitas mais frequentes são de cachorros.

“Ações como essa reforçam a importância do processo de humanização e, além disso, só tem trazido bons resultados. Ter a oportunidade de fazer escolhas quando você está hospitalizado é essencial para a saúde e bem estar”, destaca Sidney Klajner, cirurgião e Presidente do Hospital Israelita Albert Einstein.

Quais os cuidados?

Foto: Hospital Albert Einstein

Esta novidade pode deixar muitos tutores pensando: como preparar o seu animal de estimação para estas visitas?

Primeiramente, é preciso ter autorização do médico responsável pelo paciente. Além disso, a lei exige a apresentação do laudo emitido pelo médico veterinário atestando as boas condições de saúde do animal, bem como sua carteira de vacinação atualizada e comprovante de que o bichinho tomou banho nas últimas 24 horas. É importante frisar que há muito cuidado no transporte e circulação interna dos animais, sempre acompanhados pela equipe da hospitalidade e em compartimentos adequados para que ninguém seja incomodado ou perceba as movimentações.

No caso dos hospitais municipais de São Paulo, a comissão de infectologia da instituição decide caso a caso, baseada nos regulamentos internos, no estado de saúde do paciente e nas condições de saúde do pet. A lei exige a apresentação de um laudo do médico veterinário para a liberação.

A avaliação do pet é importante por dois fatores: tanto para protegê-lo de eventuais contaminações no ambiente hospitalar quanto para evitar a transmissão de parasitas e de doenças para os humanos, as chamadas zoonoses.

“Na verdade, manter o seu animal de estimação limpo e saudável deve ser uma preocupação diária do tutor. Nos casos das visitas hospitalares, essa preocupação precisa ser redobrada, sempre visando o bem-estar do próprio pet e o daqueles com quem convive”, pontua Fabiana Avelar, gerente de produto da Zoetis, líder mundial em saúde animal.

Ainda, de acordo com a lei, para entrar nos hospitais, os animais domésticos precisam estar em caixas de transporte ou usar guias presas em coleiras.

Regras e protocolo específicos do Hospital Albert Einstein:

  • A enfermagem, ao receber solicitação do cliente para a visita de seu animal, entra em contato com o médico responsável que aprovará ou não. Se aprovado, contata a Hospitalidade;
  • Ahospitalidade informa ao cliente que o animal precisa estar com boa saúde, comprovado pelo veterinário até 05 dias antes da visita, apresentar a carteira atualizada de vacinação, ter tomado banho na véspera da visita;
  • Cabe à Enfermagem e à Segurança definir o local da visita;
  • Se o animal for de pequeno porte e houver a permissão do médico, a visita pode ser feita no apartamento – apesar de os médicos preferirem, em muitas vezes, a área externa;
  • A hospitalidade comunica a Segurança e, juntos, acompanham a visita;

Não há regra para a duração das visitas, depende de cada família, quem traz e leva. O porte do animal é muito importante. Animais de pequeno porte, dóceis, sobem até o apartamento, sempre com guia e em compartimentos de transporte para circulação. Animais de grande porte (cachorros maiores) são recebidos numa área externa, acompanhados pela equipe multiprofissional.

Espero que você não precise ficar internado. Mas, caso necessite, pode contar com a visita do seu peludo. Pelo menos de saudades não iremos mais sofrer.