dois cães deitados no sofá

É possível oferecer atividade mesmo em apartamentos pequenos – Park Van Ness/Creative Commons

Cada vez mais estamos morando em apartamentos e pequenos. É uma forma de simplificar a vida e gastar menor com moradia. Assim, sobra mais verba para investir no que ou quem realmente importa (pets, por exemplo). Há quem diga que esse cenário não é propício a ter um cachorro. Mas, mesmo o menor kitnet ainda é mais maior que muitos recintos de ONG ou canis por aí.

De acordo com a CEO da franquia especializada em cuidado animal, EcoCão Espaço Pet, Patrícia Sprada, os tutores encontram obstáculos na hora de promover tarefas ligadas ao lazer e diversão do pet nestes locais. “Além da falta de espaço para o animal correr ou se movimentar, os tutores também precisam encarar a rotina diária de cada família, que nem sempre favorece esses momentos de entretenimento e cuidado com o amigo que fica em casa”, afirma.

A falta de exercício e estímulo mental podem causar diversos problemas. Além de comportamentos indesejados, a pouca atividade pode facilitar até o desenvolvimento de doenças degenerativas cognitivas.

Pensando nesse cenário, aqui vão seis dicas para inovar nas atividades para garantir a movimentação dos pets em espaços reduzidos.

1 – Utilize brinquedos interativos

Os cachorros amar as bolinhas e pelúcias. Uma forma de divertí-los é jorgar brinquedo pela casa e ensiná-lo a buscar. Não se esqueça de dar um limite. Alguns cães se empolgam tanto nessa brincadeira, que não querem parar. Esse é um brinquedo a ser oferecido com supervisão, pois há cães que gostam de mastigar tecidos e acabam engolindo.

2 – Realize atividades que incentivem a memória

Outra forma de levar mais dinâmica e diversão para a vida dos pets é realizar atividades que incentivam a memória do animal. “Essas ‘brincadeiras’ podem ser executadas com itens simples, como alguns copos ou baldes pequenos, petisco ou com brinquedos que eles gostem” sugere Patrícia. Coloque dois ou mais copos no chão e, com o cachorro vendo, esconda o petisco ou brinquedo embaixo de um dos copos. Peça para o cachorro procurar. Depois, faça o mesmo, mas troque o local dos copos e peça para o cão procurar novamente. Quanto mais copos e mais movimentos, mais difícil a brincadeira.

3 – Incentive ações que promovam a percepção do pet

Além da memória, é importante também treinar a percepção do animal em relação ao seu faro . Então, promova brincadeiras como ‘caça ração’ ou ‘caça petisco’ pela casa.  Outra opção são os tapetes e bola de fuçar. Além de rechear com petisco ou mesmo a ração, também podemos colocar ervas secas ou frescas e aguçar ainda mais o olfato. Além do pet se mexer bastante buscando a sua recompensa, ele acaba trabalhando áreas importantes no seu desenvolvimento.

4 – Inove com brinquedos recicláveis

“Muitas vezes nos perguntamos se temos os materiais necessários para promover a diversão do animal e esquecemos que coisas simples podem ajudar nessa missão”, lembra Patrícia. É possível criar diversas atividades utilizando garrafas de plástico, bandejas de ovos, potes descartáveis, entre outros. Podemos trocar uma das refeições do pote pelo brinquedo e recheá-lo com ração, por exemplo. A criatividade é sem limites na hora de enriquecer a vida dos peludos.

5 – Cabo de Guerra

Há quem diga que não é a melhor das brincadeiras, mas com certeza é uma forma de interagir com o pet e promover o entretenimento em casa. Por isso, invista em cordas e pelúcias longas para a diversão. Essa também é uma ótima forma de ensinar o “solta” para o cão. Brinque bastante de puxar, elogie o comportamento do cão, em seguida coloque um petisco bem perto do seu focinho e diga “solte”. Quando ele soltar, recompense.

6 – Transforme o adestramento em brincadeira

Outra forma de se divertir com os animais de estimação é aumento o repertório de comunicação entre vocês. Solicitar comportamentos específicos e recompensá-los, fará com que o cão compreenda a linguagem humana. “senta”, “fica”, “caminha” e “deixa” são os que eu considero essenciais para ensinar ao cão e facilitar a rotina.

Mas nada disso exime o tutor de ter que passear diariamente! “Muitas vezes, o pet acaba ficando o dia inteiro sozinho no apartamento ou em casa. Por isso, é essencial que o tutor crie uma rotina de passeios”, ressalta. O passeio é muito mais do que gastar energia, mas um enriquecimento com cheiros, pessoas e outros cães para lidar. Mesmo que com curta duração, o passeio é essencial para cães de todas as idades e tamanhos.

E aí, qual atividade você já ofereceu para o seu cachorro hoje?