Gato com bolinha

Caçar é um comportamento natural dos gatos – kishjar?/Creative Commons

Os gatos são conhecidos por sua personalidade. Esses animais são curiosos por instinto e adoram escalar, explorar, se esconder e brincar. Os felinos também prezam pela sua rotina, individualidade, autonomia e liberdade. Apesar de serem nossos bebês, eles mantêm seu instinto caçador. Desta forma, os tutores precisam estar atentos às necessidades destes animais. É nesse cenário que entra o enriquecimento ambiental e as brincadeiras simulando caça.

Vou tentar resumir o que é o enriquecimento ambiental. São atividades ou objetos que propiciem o comportamento natural de uma dada espécie, de uma forma desafiadora e com novidade. Para saber o que oferecer para seu gato, é preciso entender quais são seus comportamentos naturais (além de dormir e comer) e suas preferências (afinal, gatos são exigentes!).

O enriquecimento também engloba uma série de atividades e práticas que visam tornar o ambiente confortável para os felinos. “Quando mais estimulado, mas feliz e saudável o animal será. Além disso, o enriquecimento ambiental é importantíssimo para a manutenção do bem-estar animal, além de contribuir para evitar problemas comportamentais e até mesmo o surgimento de doenças”, explica a médica-veterinária e gerente de produtos da Unidade de Pets da Ceva Saúde Animal, Nathalia Fleming.

Gato brincando

Enriquecer o ambiente do gato é oferecer atividades e objetos que ajudem a expressar comportamentos naturais – Foto: Gato Moderno

Sabe aquele gato que caça a perna do tutor? Ele se esconde e quando o tutor passa, ele dá o bote com leves mordidinhas no calcanhar. Ele não está sendo agressivo. Ele apenas está executando um comportamento natural, mas de uma forma desagradável para nós, humanos.

É importante entender que um ambiente favorável para estes animais vai além de janelas teladas, caixa de areia limpa, ração saborosa e água potável disponível. O enriquecimento ambiental acontece quando o tutor insere itens potencialmente interessantes para os felinos. Tudo isso para auxiliar na redução do seu estresse e para estimular o animal a se colocar em movimento para manter uma boa saúde física e mental. Não adianta vir com aquela desculpa de “ah, mas meu gato é preguiçoso e não gosta de brincar”. É nosso papel enquanto tutor oferecer o máximo de brinquedos para ver qual o gato se interesse. Somente ratinhos e bolinhas pode não ser o suficiente. Veja quais são os brinquedos preferidos dos gatos.

gato brincando de caça

Gatos ama brincar com varinhas, penas e pom pons – jojo 77/Creative Commons

Brincar com varinha

Basta amarrar uma fita de presente em um graveto que teremos uma ótima varinha para brincar com o felino. Mas não pode ir com a fita na cara do gato. É preciso mimetizar o comportamento da presa. Pensando nisso, algumas marcas desenvolveram varinhas com penas e ratinhos de catnip na ponta. Assim, o gato vai ficar mais interessado em caçar.

Outra dica é utilizar superfícies em diversos níveis para brincar. Evite utilizar apenas o chão. Aproveite sofás, mesas, prateleiras e locais elevados para provocar o gato para correr atrás da “presa”. A gatificação ajuda muito nesse ponto. Veja mais sobre gatificação no vídeo abaixo.

Caça com objetos aleatórios

Gato é um bicho de gostos peculiares. Tem quem ame caçar uma bolinha de papel, elástico de cabelo e até um macarrão fusilli cru (eu disse que era peculiar!). Mas não basta jogar isso no chão e esperar que o gato brinque sozinho. Mais uma vez é importante simular o comportamento de caça.

Esconda a “presa” embaixo do edredon e mexa lentamente. Depois, jogue pelo corredor. Coloque em locais elevados e jogue no chão novamente. O gato não precisa ter sucesso em 100% das vezes. Lembrando que na natureza, somente 25% das caças são bem-sucedidas.

Essas bolinhas, ratinhos e afins que vendem nos pet shops podem não atrair a atenção dos gatos. Uma dica é colocar catnip em um pote plástico, adicionar os brinquedos, sacudir o frasco e deixar pegando cheiro por uns 3 dias. Isso só vai funcionar se o seu gato for responsivo à erva.

Dispositivos alimentares

Outra forma muito interessante de simular a caça é através de ferramentas que dificultem a apreensão da alimentação seca e úmida. Desde um comedouro lento, até uma bolinha que solta ração a medida que é movimentada. Mas há também infinitas possibilidades de DIY (Do It Your Self), o famoso faça você mesmo. Basta criatividade, material reciclável e conhecimento das preferências do seu gato. Eu tenho uma playlist no meu canal do YouTube que pode te ajudar. Veja o vídeo abaixo.

Aqui em casa, a bolinha que libera ração é uma ótima pedida. Mas o que faz sucesso mesmo são os brinquedos feitos de rolo de papel higiênico. Para alimentação úmida, usamos os tabuleiros e os tapetes de lamber. Além de estimular o comportamento natural, faz com que os gatos fiquem ativos por mais horas durante o dia.

Pode brincar com laser?

Poder, pode. Mas essa não deve ser a única fonte de interação entre você e seu gato. O fato de nunca ter sucesso em pegar a luz pode ser bem frustrante para o bichano. O mesmo acontece com aqueles aplicativos de caça (só baixar no celular e rezar para que ele fique inteiro após umas patadas). O ideal é que após esse tipo de brincadeira, o gato receba petisco ou mesmo a alimentação úmida como “prêmio”.

Pode brincar de caça com a mão?

Sugiro que não brinque de caça utilizando sua mão ou dedos. Os gatos utilizam a unha para caçar e isso pode machucar bastante. E a culpa não é do gato! Além disso, quando ele quiser te chamar para brincar, ele pode começar a morder. Por isso, o ideal é sempre usar um brinquedo ou até uma almofada para receber os chutes, mordidas e arranhões. Tudo isso faz parte da brincadeira.

O contato social também é importante para os felinos criarem vínculos. A utilização de brinquedos que estimulam a caça ajuda a estreitar relações com os humanos além de exercitar o instinto caçador muito aflorado nos felinos, promovendo ótimos minutos de diversão e distração para ambos.

Cuidar do ambiente do seu felino também é uma prova de amor e carinho, ajudando no bem-estar do animal, fortalecendo o relacionamento do pet com o ambiente e com os humanos, e melhorando sua saúde física e emocional.