cachorro no sofá

Cachorro em casa na quarentena – Garen M./Creative Commons

Ficar em casa é uma delícia. Mas os nossos pets não concordam. Enquanto fazemos home office de pijama, os cachorros trazem a bolinha ou um brinquedinho para darmos atenção a eles.

A recomendação é evitar ao máximo sair de casa. Mas não contaram isso aos cães. Aquela saidinha para fazer as necessidades ou mesmo brincar com outros cães pode ser mais do que necessária para uma boa parte dos peludos. E o que falar daquela energia acumulada dentro de casa?

Cães e gatos não transmitem COVID-19

Algumas dicas podem te ajudar a ter momentos de maior qualidade ao lado do seu bichinho de estimação.

  1. Ofereça a alimentação em dispositivos recheáveis. Desde garrafa pet com furo, embalagem de ovo até brinquedos comprados prontos. Quanto mais tempo o peludo passar comendo, mais tranquilo ficará. Mas todos os dias deve haver novidade. Então, se hoje deu no comedouro lento, amanhã pode oferecer na forminha de gelo.
  2. Faça circuitos no corredor, com diferentes tipos de piso, ervas e brincadeiras de faro. Mudar a rota, colocando cadeiras, mesinhas, galões de água ou mesmo uma sacola plástica fará com que o peludo tenha novidades e utilize.
  3. Sei que muitos cães não abrem mão dos passeios. Busque andar em praças abertas, em horários alternativos, com poucas pessoas. Os cães podem se cheirar, sem problemas, mas evite ficar perto do outro tutor. Antes de entrar em casa, passe um lenço umedecido nas patas e pelo do animal.
  4. É super importante ensinar os animais a terem uma interação conosco de uma forma calma e tranquila. Diversos pets nos veem e já pulam na gente, e querem brincar. Então, inserir um momento de relaxamento na rotina diária é fundamental. Coloque uma música tranquila, respire calmamente e faça uma massagem ao longo da coluna do peludo. Indico fazer isso antes de dormir.
  5. Fazer treinamentos e ensinar novos comandos é fundamental para estimular a cognição do animal e melhorar a comunicação entre vocês. Se você nunca ensinou comandos ao seu pequeno, talvez essa seja uma hora ideal. Senta, deita, fica, espera são exemplos do que pode ser ensinado. Mas há uma infinidade de truques. Para ensinar, você pode contratar um adestrador ou buscar aulas on-line para tutores.
  6. Um comportamento natural, mas que muitos tutores reclamam é o de roer. Isso porque os peludos costumam buscar pés de móveis e sapatos para liberar essa necessidade. Porém, ao oferecer ossos, mordedores, casco e chifre de vaca, cenoura, coco verde e petiscos próprios para os peludos, eles focam o comportamento. Assim, eles deixam de roer suas coisas e se entretém, enquanto você trabalha, por exemplo.
  7. Um hábito que poucos tutores têm com seus pets é a escovação dos dentes. Muito importante para a saúde oral dos pequenos, escovar os dentes deve ser uma atividade diária. Agora que estamos em casa, buscando coisas para fazer, que tal inserir no cronograma esse cuidado?! Clique aqui e veja como acostumar o pet a escovar os dentes.
  8. Outro cuidado muito importante é com os pelos dos pets. Tanto cães, quanto gatos devem ser escovados todos os dias, ou pelo menos um dia sim outro não. Quanto a banho, em cães de pelo curto, pode ser dado em casa mesmo, a cada 15 ou 20 dias. Mas cães de pelo longo ou com subpelos devem esperar para tomar banho com um profissional. Já os gatos, não precisam de banho. No máximo um banho a seco.
  9. Quando estamos em casa é que temos contato com comportamentos, que, na correria do dia-a-dia, acabamos não percebendo. Uma lambedura em excesso ou uma preguiça maior do que o comum devem ser levados em consideração. Como passaremos um tempo em casa, teremos a possibilidade de observar os comportamentos e hábitos dos peludos. Talvez você perceba uma coceira ou até uma dor para fazer as necessidades. Aproveite para levar o peludo ao médico veterinário. Profissionais da saúde (inclusive animal) estarão atendendo normalmente. O atendimento veterinário a distância continua proibido, conforme determina o Código de Ética do médico-veterinário. “A consulta clínica deve ser presencial, seja no consultório ou em domicílio, mas, sempre que possível, de forma restrita, individualizada, reduzindo aglomerações”, alerta o médico veterinário Wanderson Ferreira.
  10. Mas se sua intenção é aproveitar esses dias para buscar mais informações sobre como cuidar melhor do seu pequeno, existem diversos cursos on-line. Há também profissionais, como terapeutas e consultores comportamentais que atendem virtualmente. Sem correr risco de contrair o novo coronavírus, você pode aprender, colocar em prática e garantir o bem-estar de todos.
cachorro com brinquedo

Cachorro com brinquedo – Akaash Maharaj/Creative Commons

Vale lembrar que todas essas dicas são para pessoas que não estão com COVID-19. Se por acaso você está infectado, deve manter isolamento de todos, incluindo os animais.

Me siga por aí!

Instagram: @luizacervenka

Youtube: /luizacervenka

Site: www.luizacervenka.com.br