calculatordone

 

No meu último post, sobre as oleaginosas, falei sobre o alto valor calórico desses alimentos e sobre todas as suas qualidades, que não devem ser diminuídas por conta de números tão erroneamente valorizados. Nós precisamos de energia para funcionar e a única fonte deste combustível são as calorias.

 

Principalmente entre aqueles que lutam contra a balança ou para se manterem no peso considerado ideal, parece que o único aspecto relevante de um alimento é o seu valor calórico. Assim, suas características nutricionais são deixadas de lado. Ignora-se a quantidade e a variedade de vitaminas, fibras, minerais, fitoquímicos, gorduras boas e aminoácidos presentes em muitos deles e também o excesso de sódio, açúcar, gorduras nocivas e aditivos químicos presentes em tantos outros. Muitas vezes, este último grupo é até valorizado por ser considerado pouco calórico. Quer um exemplo? Em todas as tabelas de pontos e calorias, a gelatina é considerada uma excelente opção por conta do seu baixo valor calórico, diferentemente do abacate que está entre os principais vilões. Esquece-se que a primeira não tem nada de bom para nos oferecer, enquanto o segundo está cheio de qualidades nutricionais.

 

As calorias costumam ser tão temidas por serem associadas ao aumento de peso, mas o processo de emagrecimento é muito mais amplo do que algumas contas matemáticas. Envolve fatores hormonais, emocionais, qualidade de sono, atividade física, estresse e claro, o que é ou o que deixa de ser ingerido. Muitos alimentos costumam ser considerados calóricos quando têm gordura, por exemplo, que é o caso das oleaginosas e do abacate. O que pouco se fala é que nós precisamos da gordura corporal, que é o nosso maior estoque de energia e, por isso, nossa maior defesa. Mas ela só é utilizada como fonte de energia, quando estamos com o organismo equilibrado, ou seja, quando temos uma alimentação balanceada e baseada em comida de verdade. Sem um bom estado nutricional o organismo tende a reter gordura e a usar outros nutrientes para dar energia, com isso ficamos ‘empobrecidos’, temos uma diminuição da nossa massa muscular, um enfraquecimento do nosso sistema imunológico e um desequilíbrio dos nossos hormônios e até das nossas emoções.

 

Algumas pessoas até perdem peso quando aderem a uma dieta de poucas calorias, substitui alimentos naturais por versões industrializadas, mas perdem também saúde. E outras não conseguem atingir o objetivo com este tipo de dieta porque se oferecermos menos energia para o nosso organismo do que ele precisa para se manter, ele irá desacelerar o metabolismo e diminuir o nosso gasto energético. Quando consumimos menos vitaminas, minerais e ômegas do que o necessário, o nosso organismo sente que está em risco e retém toda a gordura que conseguir para se defender, portanto estas carências nutricionais também são responsáveis pelo aumento de peso. E o sacrifício das restrições será em vão.

 

Com base na Dieta dos Pontos, uma das mais conhecidas do País, montei dois cardápios para um dia. Você vai ver que em todas as refeições existe uma opção com comida de verdade e outra com um produto ultraprocessado. Em todos os casos, os pontos dos ultraprocessados se aproximam muito do dos alimentos naturais, muitas vezes eles até se saem melhor.  

 

Café da manhã

Abacate – 3 col. (sopa): 30 pontos

ou

Cereal matinal light – 3 col. (sopa): 30 pontos

 

Intervalo

1 caqui 30 pontos

ou

Club Social Integral – 1 pacotinho: 35 pontos

 

Almoço

Arroz integral – 1 col. (sopa): 10 pontos

Feijão – 1 concha média (150 g): 27 pontos

Alcatra, contrafilé, patinho – 1 bife (100 g): 56 pontos

Abóbora 2 col. (sopa): 10 pontos

Cenoura 2 col. (sopa): 10 pontos

A soma do prato = 113 pontos

ou

Queijo-quente – 1 unidade: 100 pontos

 

Sobremesa

Maçã – 1 unidade: 15 pontos

ou

Gelatina – 1 col. (sopa): 7 pontos

 

Intervalo

Castanha de caju – picada 1 col. (sopa): 35 pontos

ou

Suspiro – 1 unidade média: 11 pontos

 

Jantar

Sardinha fresca – 3 unidades: 40 pontos

ou

Salsicha de frango (ou peru) – 2 unidades: 30 pontos

e

Batata-doce – 1 unidade pequena: 40 pontos

ou

Batata palha industrializada – 1 col. (sopa): 20 pontos

 

Para se ter uma ideia de como os valores são invertidos, os refrigerantes ‘zero/diet e light’, que são comprovadamente prejudiciais à saúde, podem ser consumidos à vontade de acordo com a tal dieta, pelo fato de não terem calorias. Portanto, se o seu quesito de escolha for o “menos pontos’, poderá se alimentar um dia todo, ou uma vida toda, só com porcarias.