O dia 02 de junho é considerado o Dia Mundial de Conscientização dos Transtornos Alimentares. De acordo com um levantamento realizado pela Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, 77% das jovens paulistas apresentam propensão a desenvolver algum tipo de distúrbio alimentar, como anorexia, bulimia e compulsão por comer. Segundo a OMS, Organização Mundial da Saúde, o Transtorno de Compulsão Alimentar Periódica (TCAP) atinge 4,7% dos brasileiros, e aparece com mais frequência entre jovens de 14 a 18 anos. Considerando a população mundial, esse dado cai para 2,6%.

 

Os transtornos alimentares mais comuns são a anorexia nervosa e a bulimia nervosa, mas é bom saber diferenciá-los pois eles têm tratamentos diferenciados. Para entender mais sobre estes males e sobre os seus tratamentos, conversei com a nutricionista clínica funcional, Renata Kitade, especializada em transtornos alimentares.

 

-O que são os transtornos alimentares?

 

R.K.

São caracterizados por uma perturbação persistente na alimentação ou no comportamento relacionado à alimentação que resulta no consumo ou na absorção alterada de alimentos e que compromete significativamente a saúde física ou o funcionamento psicossocial. A anorexia nervosa começa geralmente durante a adolescência ou na idade adulta jovem. O início desse transtorno costuma estar associado a um evento de vida estressante, como deixar a casa dos pais para ingressar na universidade. O curso e o desfecho da anorexia nervosa são altamente variáveis. A presença de amenorreia é comum e parece ser um indicador de disfunção fisiológica. Se presente, a ausência da menstruação costuma ser consequência da perda de peso. Em meninas pré-púberes, a menarca pode ser retardada. Pode haver também queixas de constipação, dor abdominal, intolerância ao frio, letargia e energia excessiva. Alguns indivíduos desenvolvem lanugo, um pelo corporal muito fino e macio. Muitos indivíduos com anorexia nervosa relatam a presença de um transtorno de ansiedade ou de sintomas anteriores ao seu aparecimento, como o TOC. O transtorno por uso de álcool e outras substâncias pode acontecer simultaneamente à anorexia nervosa, sobretudo entre aqueles com o tipo compulsão alimentar purgativa.

 

– E quanto à bulimia nervosa?

 

R.K

A bulimia nervosa também começa na adolescência ou na idade adulta jovem, normalmente durante ou depois de um episódio de dieta para perder peso. A vivência de múltiplos eventos estressantes na vida também pode precipitar seu aparecimento. É registrado em pacientes com bulimia um risco significativamente maior de mortalidade por causas físicas e por suicídio. Existem três aspectos essenciais na bulimia nervosa: episódios recorrentes de compulsão alimentar, comportamentos compensatórios inapropriados recorrentes, para impedir o ganho de peso e autoavaliação indevidamente influenciada pela forma e pelo peso corporais. Para se qualificar ao diagnóstico, a compulsão alimentar e os comportamentos compensatórios inapropriados devem ocorrer, em média, no mínimo uma vez por semana por três meses. Um episódio de compulsão alimentar é definido como a ingestão, em um período de tempo determinado, de uma quantidade de alimento definitivamente maior do que a maioria dos indivíduos comeria em um mesmo período de tempo em circunstâncias semelhantes.O nível de gravidade baseia-se na frequência dos comportamentos compensatórios inapropriados.

 

Não existe, atualmente, teste diagnóstico específico para bulimia nervosa. Entretanto, diversas anormalidades laboratoriais podem ocorrer em consequência da purgação, como a perda de ácido gástrico pelo vômito, que pode produzir alcalose metabólica (nível sérico de bicarbonato elevado), e a indução frequente de diarreia ou desidratação devido ao abuso de laxantes e diuréticos pode causar acidose metabólica. A inspeção da boca, por exemplo, pode revelar perda significativa e permanente do esmalte dentário, em especial das superfícies linguais dos dentes da frente devido aos vômitos recorrentes. Esses dentes podem lascar ou parecer desgastados, corroídos e esburacados. A frequência de cáries dentárias também pode ser maior.

 

-Como é feito o tratamento nutricional das doenças?

 

R.K.

A abordagem do tratamento nutricional deve ter início com uma conversa detalhada para levantar todas as informações sobre os hábitos alimentares do paciente, a avaliação das medidas de peso e altura, das restrições alimentares, das crenças nutricionais e da sua relação com os alimentos. Outro detalhe importante é avaliar a prática de atividade física, visando determinar o gasto energético diário de cada paciente. Um dos principais instrumentos utilizados no acompanhamento nutricional dos transtornos alimentares é o diário alimentar, que serve também como um instrumento de automonitoração. Nele, o paciente registra o horário das refeições, os alimentos consumidos, com suas respectivas quantidades, o quanto de fome e vontade de comer estava sentindo antes de se alimentar, os pensamentos e os sentimentos associados àquela refeição e a ocorrência ou não de purgações ou compulsões. Esse registro faz com que o paciente adquira maior consciência sobre diversos aspectos da sua doença e com que exerça constantemente disciplina e controle.

 

Vale lembrar que é fundamental procurar ajuda psicológica para compor o  tratamento das doenças.