The-Effects-of-Fasting-862x554 (1)

Passar muitas horas sem comer pode ser prejudicial à saúde, mesmo que digam o contrário.

 

Quem me conhece sabe, não consigo ficar mais de 3 horas e meia sem comer e se isso acontecer, meu corpo logo reagirá, ficarei tonta, enjoada, não conseguirei me concentrar em nenhuma atividade e provavelmente passarei o resto do dia com enxaqueca. Por isso sempre ando com alguma opção de comida na bolsa, na maioria das vezes é uma fruta, mas também pode ser biscoito de polvilho ou algum tipo de oleaginosas, a minha preferida é a castanha do Pará. Não preciso fazer uma grande refeição, basta um desses alimentos e já posso tocar o meu dia a diante. Essa é uma característica muito pessoal e sei que boa parte dos brasileiros costumam ter intervalos muito mais longos entre as refeições. Aqueles que não tomam café da manhã, por exemplo, já fazem um tipo de jejum intermitente, ficam cerca de 15 horas sem comer. Os que pulam os lanches intermediários e só fazem as três principais refeições, têm o hábito de se alimentar a cada 5 horas, isto também é uma forma de fazer o jejum intermitente. Pra mim, jamais funcionaria.

 

A novidade do momento é que agora existem pesquisas científicas dizendo que passar muitas horas em jejum pode trazer benefícios à saúde. Os estudos vão além e ainda sugerem que se fique até 24 horas sem comer pelo menos duas vezes por semana. Segundo eles os benefícios variam bastante e podem ir desde o emagrecimento, até a prevenção do câncer passando pela redução dos níveis de insulina no sangue e por um processo de detoxificação do organismo, só pra começar. Eu tenho as minhas dúvidas e acho muito perigoso que esta prática seja recomendada indiscriminadamente na internet para todas as pessoas, como se todos nós tivemos as mesmas necessidades nutricionais, as mesmas características físicas, realizássemos as mesmas atividades ao longo do dia e tivéssemos as mesmas tendências genéticas. Pode até ser que para algumas pessoas este método funcione, mas  tudo isso que foi citado determina o quanto devemos comer e quando isso deve acontecer, se estas particularidades forem ignoradas podemos colocar nossa saúde em risco.

 

Pra começar vou falar sobre o emagrecimento. Será que se o jejum fosse uma boa forma de perder peso ainda haveria tanta gente lutando com a balança? Eu acho que não. Se você passar muitas horas sem comer, seu metabolismo irá diminuir o ritmo e isso fará com que você gaste menos energia para realizar as atividades, o que prejudica a redução de peso. Quando privamos o nosso organismo de comida por muito tempo ele segura a gordura como uma reserva e utiliza a proteína para nos dar energia. Podemos até emagrecer, mas este efeito só aparece na balança, estamos perdendo músculos (que são pesados) e mantemos a gordura onde ela está, é um falso emagrecimento. Não está convencido? Então faça o teste. Tente se alimentar a cada 3 horas e veja como fará escolhas mais conscientes na hora de se alimentar, você não estará com tanta fome e comerá porções menores e mais saudáveis. Quando estamos muito famintos normalmente damos preferências para carboidratos, doces, frituras, tudo que nos proporcionará mais calorias em menos tempo. Ou seja, o jejum acaba com a chance de termos um hábito alimentar balanceado. É importante dizer também que aqueles que costumam ficar muito tempo sem comer deixam de sentir fome. Isso acontece porque o organismo já percebeu que é inútil dar sinais de que precisa ser alimentado e para de trabalhar desta forma, mas isso não significa que ele não precisa ser ‘abastecido’. Tão errado quanto sentir a necessidade de comer o tempo todo, é não sentir fome na hora certa. As duas situações são contra a fisiologia natural do organismo.

 

Mesmo que você seja sedentário e imagine que não está gastando muita energia, certamente está. O nosso cérebro gasta cerca de 30% da energia que consumimos e é o único órgão que que não tem reserva de energia, portanto, precisa ser ‘abastecido’ a cada 3 horas para funcionar adequadamente.Quando não nos alimentamos, também não o alimentamos. Isso fará com que a nossa atividade mental caia, com que o nosso poder de concentração e aprendizagem diminua, com que o nosso humor fique alterado – pode causar ansiedade ou irritação, por exemplo. Se ainda não te convenci a tomar cuidado com o jejum intermitente posso falar sobre a gastrite. O nosso organismo entende que nós vamos nos alimentar a cada 3 horas, portanto mesmo que não estejamos comendo, já libera uma quantidade de ácido clorídrico para digerir o que será consumido. Se não aparecer nenhum alimento, esse suco digestivo ácido ficará no nosso estômago e poderá agredir suas paredes. Isto é uma das causas da gastrite. Portanto, antes de experimentar fazer qualquer dieta que pode comprometer a sua qualidade de vida, procure um especialista para evitar que o seu organismo não pague um custo muito alto. O alerta está dado.