Os cuidados preventivos para evitar a contaminação pelo novo coronavírus já devem estar na ponta da língua da maioria da população mundial. O próximo ponto a ser esclarecido é como fortalecer o sistema imunológico para não pegar a doença ou para não ser derrubado por ela. Já notou que algumas pessoas ficam constantemente doentes e outras nunca pegam nada? Que enquanto um amigo leva duas, três semanas para se recuperar de uma gripe, outro não passa nem uma semana com ela? O que os diferencia é o estado do seu sistema imunológico. A boa notícia é que você pode melhorar suas defesas com algumas medidas simples. 

 

De acordo com o Dr. Ícaro Alves Alcântara, que é médico, especialista em saúde integrativa: “É importante tentar evitar o contágio com o vírus e a sua transmissão, mas é ainda mais importante fortalecer o sistema imunológico, pois quem mantiver uma boa imunidade e uma boa saúde geral do organismo, vai experimentar apenas sintomas de uma gripe leve e vai se curar completamente da Covid-19”. O especialista elencou alguns passos para reforçar o sistema imunológico, entre eles está a alimentação saudável:

-Tome água de hora em hora, mesmo sem sede;

-Faça exercícios físicos regularmente;

-Garanta uma boa qualidade de sono;

-Procure gerenciar melhor o estresse;

-Mantenha uma rotina alimentar adequada;

-Pegue sol regularmente, pelo menos vinte minutos ao dia;

-Fique atento à sua respiração, para garantir que esteja respirando bem

 

Como este blog se dedica ao tema da alimentação, vou voltar a ela. Nos últimos dias tenho ouvido de diversas fontes que “para melhorar a imunidade é importante consumir muita proteína e vitamina C”. De acordo com a nutricionista clínica Denise Carreiro, autora do livro Entendendo a Importância do Processo Alimentar: “É verdade que precisamos de proteína (aminoácidos) para formar as célula de defesa, porém, entre os brasileiros, é muito comum que se consuma uma quantidade de proteína maior do que a necessária, portanto, aumentá-la ainda mais não trará benefícios para o sistema imunológico”. 

 

O que fará toda diferença, segundo a especialista, é aumentar bastante a quantidade de vitaminas, minerais, fibras e compostos bioativos, presentes nas frutas, verduras e legumes, esses sim, alimentos consumidos em menor quantidade do que o mínimo recomendado pela Organização Mundial da Saúde. Esses micronutrientes determinam a formação de todas as células, incluindo as de defesa, já as fibras presentes neles são o principal alimento para as bactérias saudáveis do intestino (probióticas), que determinam a formação e a maturação de mais de 70% das células de defesa. Se possível, dê preferência aos alimentos orgânicos, além de não conterem agrotóxicos, que desestabilizam o sistema imunológico, costumam ter de 40 a 50% a mais de compostos bioativos, vitaminas e minerais do que aqueles produzidos em larga escala com o uso de defensivos agrícolas. 

 

Quanto aos micronutrientes, de fato a vitamina C pode auxiliar no reforço do sistema imunológico, mas aumentar apenas o seu consumo, pode ser insuficiente, pois nenhum nutriente age isoladamente. Segundo o Dr. Ícaro Alcântara: “A vitamina C atua em conjunto com as vitaminas A, E e com o ácido alfa lipóico. A falta de vitaminas do complexo B, como: vitaminas B2, B3, B5, B6, B9 e B12  debilita o sistema imunológico, e deficiências de B6 e de B12 são muito frequentes. Carências de ferro, zinco, cobre, magnésio e glutamina também prejudicam bastante o sistema imunológico. A imunidade não funciona direito se o organismo não tem nutrientes que servem de matéria-prima para o sistema imunológico. Por isso, pode ser interessante procurar um profissional de saúde que possa indicar um suplemento nutricional individualizado”.  

 

Por meio de mudanças no hábito alimentar também é possível aumentar consideravelmente a quantidade e a variedade de nutrientes ingeridos, essa variedade é fundamental. Segundo a nutricionista: “O organismo é como um grande laboratório de química, os nutrientes interagem o tempo todo e precisam estar equilibrados, se um deles estiver em falta, em quantidades insuficientes ou até excessivas, irá atrapalhar o funcionamento de outros. Se comermos berinjela de domingo a domingo, por exemplo, estaremos deixando de lado a abobrinha, o brócolis, a vagem, o quiabo, o chuchu e todos eles têm algo a nos acrescentar, assim como todos os alimentos naturais. Se você tem um leque pequeno de frutas, verduras e legumes aprovados, tente experimentar novamente aqueles de que não gosta, com outros temperos, com outras combinações ou diferentes modos de preparo, eles podem te surpreender. Outra dica é voltar a experimentar alimentos que parou de comer quando criança, com o passar dos anos o paladar muda e pode ficar mais receptivo a determinados sabores”. 

 

Os vídeos com os cuidados para lidar com o coronavírus e com a lista completa de dicas para aumentar o sistema imunológico do Dr. Ícaro Alves Ancântara estão disponíveis nos endereços icaro.med.br/coronavirus e icaro.med.br/imunidade