Duas maneiras de viver a moda invadem as ruas ou apenas se estabelecem pensando nas mulheres atuais. Ressaltando o modo corrido com que todos vivem hoje, -apenas o smarthphone na mão e mais nada parece ser o lema-, há quem exalte o decorativismo colorido da Gucci em contraposição à outra parcela, que acena até para a moda “descabida” da Vetements, mas vai  além, dando um passo acima do normcore de outrora, entretanto longe de ser chata, pálida.

estadaogucciminimal

Que mal tem uma camiseta, um jeans rasgado e um tênis branco? Que tal um blazer de alfaiataria super bem cortado em contraponto a estampas 3D, veludos repleto de detalhes, cores mil?

A mulher adepta desse sentimento de minimalismo pós-90’s -eu sou uma delas-, quer mesmo é mostrar que sim, para entender de moda e se apresentar com os preceitos da mesma não se faz necessário ser over, a tal palavra que dá urticárias nas amantes da limpeza no look, do sportswear deluxe, como chamou-se na década citada, concedendo bossa com acessórios que a tiram do básico. Afinal, mulher nenhuma quer ser básica, até fazendo parecer.

carolblazer

Com a agenda cheia de todas, dia de reuniões, fotos, viagens, casa, filhos, marido, sobe, desce, pega táxi, entra no avião,  rotina com dias que parecem durar mais do que 24 horas, o novo/velho minimalismo não compromete e, vá lá, é muito chique.

 

www.blogdacarolribeiro.blogpost.com.br
@caropita
Fotos: reprodução