A Childhood Brasil, organização sem fins lucrativos, com foco na proteção de crianças e adolescentes contra o abuso e a exploração sexual, preparou um material para explicar o significado de “revitimização” no momento em que as crianças ou adolescentes relatam uma violência sexual.

De acordo com a organização, quando a vítima ou testemunha tem que relatar repetidamente o caso, isso pode fazer com que ela acabe revivendo a situação de violência e sofra ainda mais. Essa exposição se chama revitimização e a Lei nº 13.431/2017 – Lei da Escuta Protegida – surgiu justamente para acabar com esse processo e garantir a proteção de crianças e adolescentes.

“Com a lei, ao invés da vítima relatar a violência para cada órgão de proteção (ex: Conselho Tutelar, Saúde, Polícia Militar), é realizado um único depoimento após a revelação, que guiará toda a rede de proteção na condução do caso. Assim, a vítima ou testemunha será protegida e preservada”, informa a Childhood.

A organização disponibilizou um guia sobre como realizar um atendimento mais acolhedor e humanizado em casos de violência sexual de crianças e adolescentes, para a Rede de Proteção Municipal. Confira o material neste link.

A Childhood ainda alerta: “Ao sinal de qualquer suspeita ou confirmação de violência contra crianças ou adolescentes, denuncie! Acione o Disque 100, disponível também via whatsapp, no número (61) 99656-5008, e no app Direitos Humanos Brasil. A ligação é gratuita, anônima e pode salvar quem mais precisa.”