"A educação tem de se tornar mais palatável para aquilo que as pessoas demandam, formando profissionais e cidadãos", diz Paulo Malvasi (crédito: Morguefile)

Proposta Escola sem Partido restringe discussão sobre política em sala de aula (Foto: Morguefile)

Os modelos tradicionais de educação vêm sendo questionados há um tempo: Qual seria a função da escola quando a internet pode entregar qualquer conteúdo? Como proporcionar um ensino menos “engessado”? Ensinar a refletir, a pensar e ampliar os conhecimentos de mundo seriam um bom começo. Mas um projeto do Senado vem no caminho contrário, provocando muita polêmica.

A proposta da “Escola sem partido” restringiria o que pode ser falado sobre política aos estudantes nas salas de aula, cobrando “neutralidade” do professor e também restringindo debates importantes para a formação integral do ser humano, como ensino da ideologia de gênero.

Uma educação que restringe a liberdade de expressão e limita o questionamento e a reflexão? No Roda Viva, da TV Cultura, o historiador Leandro Karnal falou muito bem sobre o assunto: