Com a aproximação da votação do impeachment no domingo, 17, as tensões no cenário político aumentaram no país. Como parte da sociedade, as escolas recebem os ecos do debate, com o assunto em pauta nas salas de aula.

Nesta semana, Ravina Shamdasani, porta-voz do Escritório de Direitos Humanos da ONU, voltou a mencionar a importância da democracia não ser comprometida neste processo.

Na intenção de construir um entendimento sobre o assunto, o Colégio Elvira Brandão está promovendo o debate com os alunos.

O professor André Aly, Coordenador de Ciências Humanas do colégio, criou uma grande mesa redonda, composta por professores e alunos do 6º ano do Ensino Fundamental II ao Ensino Médio.

Segundo Aly, as atividades buscam problematizar a questão e trazer outras perspectivas de análise. “Oferecemos possibilidades para ambos os lados perceberem a fragilidade democrática do Brasil, por ser uma democracia recente, além de notar como as forças de quase 350 anos de colonização atuam. Utilizamos a história para mostrar aos alunos uma perspectiva teórica”, diz o professor.

Além dos debates, a escola tem procurado facilitar a mudança de comportamento , formando cidadãos políticos. O professor explica que os alunos são convidados a refletir sobre como se organizam dentro da própria escola.

Como resultado, o diálogo entre estudantes e direção está ficando cada vez mais horizontal e o grêmio está sendo revitalizado e ressignificado, buscando uma frente única. Durante as aulas de atualidades, os mais velhos entrevistam os menores, buscando levantar suas reais necessidades, como a altura do bebedouro e a reforma do parquinho.