O living do apê tem estantes de freijó

No apê da discórdia, o living tem estantes de freijó

 

Até as 18h18, quatro leitores detonaram o teor da reportagem “Toques de um arquiteto”, de autoria deste blogueiro, com produção de Ângela Caçapava e fotos de Zeca Wittner. É acerca da reforma de um apartamento de 200 m² na Vila Nova Conceição, para uma viúva que antes morava em um imóvel de 380 m². O projeto, publicado hoje no suplemento Casa, de O Estado de S. Paulo, vem do arquiteto René Fernandes.

Nos comentários, há desde quem compare o resultado com uma “sauna finlandesa decorada” até desafie o profissional  a “colocar quatro pessoas em 40 m² (ou menos), na periferia”.

A pergunta é: será que ele toparia? “Claro que sim. A gente não pode só fazer aquele tipo de coisa. Tem de atender a diferentes necessidades”, responde René, por celular. Talvez a proposta possa render nova pauta para o caderno dominical.

A palavra “desafio”, é verdade, foi usada para descrever a obra. Só resta dizer que há desafios e desafios. E há realidades e realidades.

Veja a íntegra dos comentários:

1 Eddie Sampaio | 8h49

O grande problema do uso excessivo de revestimentos de madeira ou imitando madeira é que na maioria das vezes os ambientes ficam parecendo uma sauna finlandesa decorada.

2 Elaine Campos | 9h57 

Com tantas questões a serem discutidas no campo da moradia, matérias como essa são uma afronta ao que vivemos neste País: a falta de moradia digna. O que tem de relevante falar sobre isso? Isto aqui: http://www.flickr.com/photos/vidassemteto/3250090219/

3 Marcelo Castro0 | 12h00 

Não vejo nenhum desafio em colocar apenas uma pessoa vivendo em um apartamento de 200 m² na Vila Nova Conceição. Os casais de classe média moram com, em média, dois a três filhos em apartamentos de 100 m2.

4 Lili L | 14h53  

200 m²… Isso é uma piada. Desafio é colocar quatro pessoas em 40 m² (ou menos) na periferia e ainda dar conforto com o pouco recurso que eles têm. Faço esse desafio ao René Fernandes.