A população urbana, cada vez mais preocupada em consumir alimentos orgânicos, deveria voltar seus olhos para o campo e pesquisar como a comida é produzida ali. Bastará assuntar um pouco, um pouquinho só, no Google, sobre agricultura orgânica, ou agroecologia, ou ainda agricultura sustentável, que inevitavelmente você vai se deparar com um nome: Ana Maria Primavesi.

No Brasil tropical, pode-se dizer sem receio de errar que, se não fossem as pesquisas sobre fertilidade do solo dessa engenheira agrônoma que, exatamente hoje, está completando 99 anos – não há erro de digitação aqui: são, de fato, 99 anos! –, os alimentos orgânicos não estariam tão fartamente disponíveis, como atualmente estão, nas feiras e nos supermercados. Simples assim.

Solo saudável, animais – inclusive nós – saudáveis

Com estudos voltados primordialmente ao solo, aos seus nutrientes e aos micro-organismos que nele vivem e suas intrincadas relações, entre si e com as plantas, Ana Maria Primavesi  comprovou, para um sem-número de produtores rurais, engenheiros agrônomos, engenheiros agrícolas e um tanto de pesquisadores das mais diversas áreas no Brasil e no mundo, a importância primordial de se manter um solo fértil, biodiverso e saudável para garantir plantas vigorosas e nutritivas. E, por consequência, para manter saudáveis os animais – inclusive nós, seres humanos – e toda a vida na Terra, enfim. “Não existe solo rico ou pobre; existe solo vivo ou morto”, ensina essa austríaca de nascimento, mas que adotou o Brasil há 70 anos, quando veio para cá com seu marido, o também agrônomo Artur Primavesi.

Até mesmo a agricultura convencional – aquela que usa agrotóxicos e adubos químicos – vem se voltando, cada vez mais, aos ensinamentos de Ana Maria Primavesi, na tentativa de utilizar suas técnicas para recuperar a fertilidade perdida do solo, reverter erosões e reduzir a incidência de pragas e doenças nas lavouras, já que plantas bem nutridas conseguem defender-se melhor e naturalmente desses ataques.

Ana Primavesi lançou, enfim, as bases científicas para viabilizar a agricultura orgânica tropical – que logicamente já existia aqui antes da Revolução Verde, mas sem o lastro acadêmico – por meio do manejo ecológico dos solos.

Um site só para ela

Toda essa saga de quase um século de vida já foi contada pela geógrafa e professora Virgínia Knabben, que escreveu a biografia “Ana Maria Primavesi – histórias de vida e agroecologia” (Editora Expressão Popular), lançada há três anos e que já está na segunda edição e vendeu 4 mil exemplares.

Agora, Virgínia deu um passo adiante, idealizando – e lançando hoje, como um presente aos 99 anos da agrônoma – um site inteiro dedicado à Ana Maria Primavesi. Está tudo lá, no link www.anamariaprimavesi.com.br.

Construído pelo Estúdio Irà, de Mário Vasconcellos Espinoza e Bastian Meyer, e ilustrado pela artista plástica Pamela Simioni, o site vai reunir textos que Virgínia já vem publicando há pouco mais de três anos na página do Facebook dedicada à agrônoma e muito mais. “Neste site, que começamos a preparar há dois anos, vai estar praticamente todo o acervo de Ana Maria Primavesi”, conta Virgínia.

Ela diz que a ideia surgiu justamente a partir da página do Facebook. “Nesta página, que já tem mais de 27 mil seguidores, sinto que às vezes conteúdos importantes acabavam se perdendo, porque conforme vamos inserindo textos na timeline os anteriores vão ficando para baixo e saem da tela principal”, justifica. “Não há como postar conteúdo de forma sistematizada, como é possível fazer num site”, continua.

Assim, a partir de hoje, estarão abertos, para consulta, o conteúdo de uma vida toda – e são 99 anos de Ana Maria Primavesi, vamos lembrar! Logo na homepage, a essência dos ensinamentos sobre solo da engenheiro agrônoma: a ilustração de Pamela Simioni é “rolada” na página até se chegar ao que interessa, ou seja, um solo rico, cheio de vida e de micro-organismos trabalhando para garantir a vida e o equilíbrio na superfície.

99 anos de conteúdo e pesquisa

Em relação ao conteúdo, o site é todo aberto e gratuitamente oferece uma extensa produção de Ana Maria Primavesi ao longo desses anos todos. São artigos científicos e técnicos; power points; textos em inglês, alemão, francês e espanhol que a própria Ana Primavesi escreveu; as “Cartas da Fazenda”, que eram publicadas mensalmente na extinta revista Guia Rural, da editora Abril; um resumo da biografia de Ana Primavesi; pessoas que foram referências importantes para a agrônoma – “Principalmente os professores que a tornaram tão especial”, diz Virgínia –, além de todos os livros de Primavesi, incluindo o clássico e referência até hoje para quem pratica agricultura orgânica ou convencional, “Manejo Ecológico do Solo”.

Há espaço, também, para todas as reportagens que saíram na imprensa sobre a agrônoma, inclusive este, do Estadão, quando a biografia dela foi lançada, e um link para “Curiosidades”. Neste link, Virgínia conta que será um site dentro do próprio site. “Esta parte vai contar a história, por exemplo, de como o filme sobre a vida no solo foi feito, haverá a história de um dos filhos de Ana Primavesi, Arturzinho, e seus desenhos maravilhosos, as fotos Kirlian que ela fazia para verificar a energia das plantas; a árvore genealógica de sua família, e muitas outras coisas”, conta Virgínia.

Todo este conteúdo está organizado em seis partes no site: “Acervo”, “Biografia”, “Referências”, “Livros”, “Imprensa” e “Curiosidades”. Além, é claro, do “Contato”, onde Virgínia conta um pouco sobre si e sobre a equipe que viabilizou o site.

A artista plástica Pamela Simioni, por exemplo, que fez todos os desenhos – tirando os da própria Ana Primavesi, que constam na seção “Biografia” – relata que as cores utilizadas para compor a paleta são de tintas de solo coletadas no Estado do Rio de Janeiro pela equipe do Museu de Solos do Brasil, da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. “Agradecemos, aliás, a partilha desses materiais”, diz Pamela.

Virgínia conta que, apesar de estar há dois anos formatando o conteúdo do site e tentando incluir o máximo possível da produção de Ana Maria Primavesi, “ainda falta muita coisa, pois a produção dela é extensa”, comenta. “As aulas, por exemplo, ficarão para uma segunda fase do site.” De todo modo, Virgínia garante que os interessados em aprender sobre agroecologia, vida no solo, manejo ecológico de pragas e doenças, sobre nutrição de plantas, agricultura orgânica, receitas de remédios com plantas medicinais, interrelação entre nutrientes e seus efeitos nas plantas, nos animais e, consequentemente, de seres humanos, já terão um vastíssimo material à disposição.

Aliás, parabéns pelos 99 anos, dra. Ana Maria Primavesi!