‘Programa do Porchat’ retorna e apresentador não descarta entrevistas com presidenciáveis

Hyndara Freitas - O Estado de S.Paulo

‘Tomara que sim’, disse Fábio Porchat sobre possível roda de entrevistas com todos os candidatos

Fábio Porchat diz que vê com positividade a concorrência entre talk shows no Brasil. 'Quanto mais, melhor', disse. 

Fábio Porchat diz que vê com positividade a concorrência entre talk shows no Brasil. 'Quanto mais, melhor', disse.  Foto: Jose Patricio/ESTADÃO

O Programa do Porchat retorna à grade da Record TV na próxima segunda-feira, 5, e, em ano de eleições, o apresentador não descartou entrevistar os candidatos à presidência da República. "Poderia ser, por que não?", diz Porchat, deixando claro que está apenas esperando a definição dos candidatos para isso.

"A partir daí a gente pode entrevistar, mas tem a lei que diz que, se a gente entrevistar um, tem que entrevistar todos”, disse o apresentador durante coletiva de imprensa realizada nesta segunda-feira, 28. “Tomara que sim. Não sei como é a agenda deles, se eles topam”, diz. Questionado se recusaria falar com alguém, é categórico: “Eu entrevistaria qualquer pessoa. No programa diário, o não de hoje é o sim de amanhã”.

Entretanto, a política sempre fez parte dos quadros, esquetes e monólogos de seu programa, e isso continua. Uma das novidades dessa nova fase, aliás, é justamente um quadro inspirado na possível candidatura de personalidades, como Luciano Huck – que recentemente declarou que não vai disputar a corrida presidencial – e Doctor Rey.

No quadro, comediantes escolhem duas pessoas famosas e defendem suas candidaturas. “Por exemplo, Anitta e Mr. Catra. A gente vai colocar os cabos eleitorais defendendo por que eles seriam bons presidentes e a plateia vai decidir, no final, quem é eleito”, explicou Porchat, comemorando sempre ter tido liberdade de ‘bater’ em todo mundo no programa. “Já sacaneei Lula, Dilma, Temer, Aécio, Gilmar Mendes, Renan Calheiros. No monólogo eu falo muito, e isso continua firme e forte”, garante.

Seja com política ou sem, fato é que o talk show caiu no gosto do telespectador brasileiro. O pioneiro no formato no País foi Jô Soares, mas a presença massiva de humoristas no comando dos talk shows cresceu nos últimos anos e se mantém – Danilo Gentili no The Noite, do SBT, e Tatá Werneck no Lady Night, do Multishow são bons exemplos. Além dele, Pedro Bial comanda o Conversa com Bial desde o ano passado na Globo, com estilo mais sério, mas sem deixar de lado o humor.

Porchat, que estreou na Record TV com seu programa em agosto de 2016, vê esse cenário com bons olhos. Ele conta que assiste a todos os que estão no ar para saber o que está acontecendo, ver quem já foi entrevistado e o que foi ou não perguntado.

“É legal ter um horário em que você liga na Globo, na Record e no SBT e tem um talk show acontecendo, cada um com seu estilo. Eu acho isso muito bom. Quanto mais gente tiver fazendo bem, melhor. É ótimo ter concorrência”, declara.

O programa não terá muitas mudanças nas novas edições, já que “em time que está ganhando não se mexe”, justifica o apresentador. A ideia é sempre trazer convidados interessantes e temas ‘quentes’, ligados ao que ocorre no Brasil e no mundo nos mais diversos âmbitos. Alguns dos entrevistados adiantados confirmam essa preocupação e não deixam a desejar na variedade: Jojo Toddynho – com quem Porchat gravou uma paródia de Vai Malandra, de Anitta – Felipe Massa, Cacá Bueno, Maitê Proença, Isabel Fillardis e Rodrigo Pimental, ex-capitão da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

Até agora, foram 244 edições do Programa do Porchat e mais de 500 entrevistados, mas ainda há muitas pessoas que o criador do Porta dos Fundos gostaria de receber em seu sofá na Record TV: Fábio Junior, Leonardo, Silvio Santos, Faustão, Emílio Surita. “Meu sonho é real, gente que tá aqui do lado”, fala. E de outro país? “Eu queria entrevistar todos os caras do Monty Python. Pode ser até só para mim, lá em casa mesmo”, brinca.