Pedro Pascal sobre menos cenas de ação em 'Narcos': 'Estou mais interessado em personagens'

Hyndara Freitas - O Estado de S.Paulo

Sem Wagner Moura, terceira temporada foca no Cartel de Cali - que operava de maneira diferente de Pablo Escobar

Javier Peña (Pedro Pascal), agente da DEA, na nova temporada de 'Narcos'.

Javier Peña (Pedro Pascal), agente da DEA, na nova temporada de 'Narcos'. Foto: Juan Pablo Gutierrez/Netflix/Divulgação

BOGOTÁ, COLÔMBIA - Após de 20 episódios repletos de cenas de explosões, tiros, assassinatos, invasões e fugas, Narcos chega à terceira temporada com uma nova história, o Cartel de Cali, que trabalha de forma muito diferente de Pablo Escobar. Por isso, alguns fãs da série podem estranhar a diminuição das cenas de violência e ação.

Andi Baiz, diretor-executivo da série, diz que a nova fase trabalha mais o suspense. "Eu não acredito que esteja mais lenta, e sim que ela tem mais elementos surpresa. A segunda temporada teve muita violência: o governo atacava Escobar e ele atacava o governo. Já essa é uma temporada de suspense, é mais sobre segredos, sobre a vida das pessoas. E o jeito que Cali operava era muito diferente do jeito que Escobar trabalhava. É mais surpreendente, tem um quê de [Alfred] Hitchcock", disse Baiz em entrevista ao Estado.

Pedro Pascal, que dá vida a Javier Peña, acredita que há, sim, bastante ação nessa temporada, apenas de um jeito diferente: "Há mais problemas, há helicópteros, selvas, buscas. Nós nunca conseguimos agradar a todos mas, pessoalmente, estou mais interessado em bons personagens e em imprevisibilidade do que ver o cérebro de alguém explodindo".

* A repórter viajou a convite da Netflix