Netflix responde comentário transfóbico em divulgação do documentário 'Laerte-se'

Redação - O Estado de S.Paulo

'Não deixar que alguém busque sua identidade é opressão', afirmou a plataforma em rede social

Documentário sobre vida da cartunista, 'Laerte-se' estreia em 19 de maio.

Documentário sobre vida da cartunista, 'Laerte-se' estreia em 19 de maio. Foto: Marina Malheiros/Estadão

A Netflix respondeu, através de seu perfil oficial do Facebook, um comentário transfóbico de uma usuária a respeito da cartunista Laerte. A resposta ocorreu na publicação do trailer do documentário Laerte-se, primeira produção brasileira a figurar no catálogo do serviço de streaming, sobre a vida da artista.

“Genialidade não tem gênero”, escreveu a Netflix na postagem. Depois disso, a usuária comentou: “‘Por que eu devo ser homem ou mulher?’ (em referência a uma fala de Laerte no vídeo). Porque você nasce mulher ou homem… Decepcionante, respeito a opção de cada um mas, que é uma triste sociedade, isso é. E antes de mais nada, opinião não se discute”. 

A plataforma, no entanto, resolveu dar uma resposta rápida e destruidora. “Opinião é você preferir estrogonofe de frango ou de carne. Não deixar que alguém busque sua própria identidade não é opinião, é opressão”, disse. A produção estreia na Netflix no dia 19 de maio.