Conselho de psicologia critica novela da Globo em comunicado; leia

Redação - O Estado de S.Paulo

Críticas envolvem o núcleo da personagem Laura, que foi abusada sexualmente na infância

Cena do casamento entre Laura (Bella Piero) e Rafael (Igor Angelkorte), em 'O Outro Lado do Paraíso'.

Cena do casamento entre Laura (Bella Piero) e Rafael (Igor Angelkorte), em 'O Outro Lado do Paraíso'. Foto: Estevam Avellar / Globo

O Conselho Federal de Psicologia do Brasil publicou uma carta aberta em seu site criticando a novela O Outro Lado do Paraíso, exibida pela Globo, em especial ao núcleo que envolve a personagem Laura, vivida por Bella Piero. Antes, algumas cenas de internação já haviam gerado revolta entre psiquiatras.

Na trama, Laura tem dificuldades para ter intimidades com seu marido, Rafael, por conta de abusos sexuais que sofreu de seu padrasto na infância. Ela busca ajuda profissional, mas em vez de ir a um psicológo, procura sessões de hipnose e coaching, o que é desaprovado pelo conselho. As cenas fazem parte de uma ação de merchandising.

Na carta, a entidade reconhece que trata-se de uma obra de ficção, mas que ainda assim é capaz de "formar opinião" e presta um "desserviço à população brasileira ao tratar com simplismo e interesses mercadológicos" o sofrimento da personagem, que foi abusada sexualmente em sua infância.

A instituição ainda ressalta que as obras da emissora são conhecidas por trazer temas importantes para a sociedade como forma de "elevar a audiência", 'embaralhando' barreiras entre ficção e realidade.

"Pessoas com sofrimento mental, emocional e existencial intenso devem procurar atendimento psicológico com profissionais da Psicologia, pois são os que têm a habilitação adequada", prossegue, citando reconhecimento de sistemas como o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (SUAS).

"O CFP faz um alerta à sociedade para que não se deixe iludir. As pessoas devem buscar terapias adequadas conduzidas por profissionais habilitados para os cuidados com a saúde, particularmente a saúde mental", ressalta o comunicado.

Por fim, ainda elogiam a postura de outras instituições: "Saudamos como positiva a manifestação de diversos grupos e escolas de coaching, que, manifestando-se sobre o ocorrido, afirmaram compreender que os transtornos mentais devem ser cuidados por profissionais da saúde mental".

Em resposta, a Globo afirmou que "reconhece a importância de todos os seus programas para discussões e reflexões sobre assuntos de interesse da sociedade e está atenta à responsabilidade que lhe é atribuída sobre todos os temas abordados."

"O que a novela ‘O Outro Lado do Paraíso’ quer mostrar com o desenvolvimento da trama da personagem Laura é o processo pelo qual passa uma pessoa que precisa de ajuda, recorrendo a diferentes e variadas formas de apoio e terapias, das mais às menos ortodoxas", prossegue.

A abordagem não desagradou apenas a psicólogos. A Sociedade Latino Americana de Coaching (SLAC) - não confundir com o Instituto Brasileiro de Coaching - alega ter enviado um e-mail à Globo antes de a polêmica vir à tona, em 17 de janeiro. Na carta, Sulivan França, seu presidente, alega que "em um mercado onde existem tantos pseudo profissionais e institutos, é delicado colocar em uma novela de amplitude nacional informações sem fundamento que deturpam o real significado do coaching".

Confira a íntegra abaixo:

"Mesmo compreendendo o caráter de uma obra de ficção, o Conselho Federal de Psicologia (CFP) entende que a telenovela “O outro lado do paraíso”, por se tratar de uma obra capaz de formar opinião, presta um desserviço à população brasileira ao tratar com simplismo e interesses mercadológicos um tema tão grave como o sofrimento psíquico de personagem cuja origem é o abuso sexual sofrido na infância.

Quanto ao argumento de que se trata ‘’apenas’’ de ficção, lembramos que são as novelas da Rede Globo que, como estratégia de elevar a audiência, frequentemente buscam embaralhar as barreiras do ficcional e do real, entre outras formas, introduzindo nas tramas fatos e temas candentes da sociedade.

É consenso no Brasil de que pessoas com sofrimento mental, emocional e existencial intenso devem procurar atendimento psicológico com profissionais da Psicologia, pois são os que tem a habilitação adequada. Isso é amplamente reconhecido por diversas políticas públicas, entre elas o Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema Único de Assistência Social (SUAS), que empregam essas profissionais em larga escala. Mesmo na saúde suplementar, o exercício do cuidado psicológico é reconhecido e regulamentado. Há normas da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) que obrigam os planos de saúde a oferecerem atendimento por profissionais da Psicologia.

Somos uma profissão regulamentada pela Lei 4.119, de 27 de agosto de 1962, os cursos de Psicologia são aprovados e fiscalizados pelo Ministério da Educação e o Ministério da Saúde reconhece a Psicologia como uma profissão da saúde. As mais prestigiadas universidades públicas e privadas oferecem formação em Psicologia e nossa ciência e profissão passam rotineiramente pelo escrutínio das pesquisas acadêmicas. Tudo isso confere segurança à sociedade de que se trata de uma ciência e profissão respaldadas ética e tecnicamente.

Saudamos como positiva a manifestação de diversos grupos e escolas de coaching, que, manifestando-se sobre o ocorrido, afirmaram compreender que os transtornos mentais devem ser cuidados por profissionais da saúde mental.

O CFP faz um alerta à sociedade para que não se deixe iludir. As pessoas devem buscar terapias adequadas conduzidas por profissionais habilitadas para os cuidados com a saúde, particularmente a saúde mental.

Conselho Federal de Psicologia"

Posicionamento da emissora, enviado por meio de sua assessoria:

"As novelas são obras de ficção, sem compromisso algum com a realidade. A Globo reconhece a importância de todos os seus programas para discussões e reflexões sobre assuntos de interesse da sociedade e está atenta à responsabilidade que lhe é atribuída sobre todos os temas abordados. O que a novela ‘O Outro Lado do Paraíso’ quer mostrar com o desenvolvimento da trama da personagem Laura é o processo pelo qual passa uma pessoa que precisa de ajuda, recorrendo a diferentes e variadas formas de apoio e terapias, das mais às menos ortodoxas.

É importante reiterar, ainda, a seriedade com que a novela ‘O Outro Lado do Paraíso’ tem abordado, desde a estreia, questões relacionadas a diferentes tipos de abuso e preconceito. Corroborando o compromisso da Globo com a sociedade, está prevista a exibição, ao final de alguns capítulos, de cartela de divulgação do Ligue 100, número oficial para denúncias de violação de direitos humanos.

Comunicação da Globo."

Confira também comunicado enviado pela Sociedade Latino Americana de Coaching à Globo:

"Gostaríamos de pedir a atenção em relação a um tema colocado de forma equivocada durante uma cena do capítulo da novela O Outro Lado do Paraíso, exibido na última quarta-feira (17 de janeiro). Na cena, a personagem Adriana (Julia Dalavia) explica técnicas que poderia utilizar para descobrir mais informações sobre a personagem Duda (Glória Pires). 

Na conversa, a personagem afirma ter feito “curso de coach” e diz ser “um método onde se estabelece uma relação com o cliente em função de um objetivo. Existem algumas técnicas para descobrir dados, motivações. Tudo em função de uma cura interna. A gente usa, inclusive, a hipnose”. 

Ainda que a novela seja uma obra de ficção, esse texto da personagem traz informações equivocadas sobre o coaching, seu real significado e aplicação. 

Ao falar que a personagem Adriana fez “curso de coach” já aparece o primeiro erro. Coach é o profissional que aplica o coaching e não a metodologia em si. No entanto, o principal problema está na afirmação de que o processo pode utilizar a hipnose. O maior desafio que temos hoje é justamente mostrar as diferenças para as pessoas entre coaching, psicologia, terapia, consultoria, programação neurolinguística e hipnose. Coaching é um processo de planejamento estratégico do indivíduo para que ele possa sair de onde está no presente e chegar aos objetivos que quer alcançar no futuro, sem falar, em momento algum, de passado ou utilizar qualquer técnica como a hipnose. Em nenhum momento está ligado ao passado. Trata-se de uma metodologia que trabalha o desenvolvimento pessoal e profissional de cada indivíduo. 

Tratar o coaching dessa maneira e associar a atividade à hipnose pode, em nossa opinião, induzir profissionais da área a atuar de maneira equivocada com psicologia. Além de ilegal, isso se tornaria um problema de saúde pública, o que é extremamente preocupante. 

Em outro momento do diálogo, a personagem ainda garante que “poderia descobrir tudo sobre essa mulher”, outro erro perigoso. O coach é retratado como um manipulador, o que definitivamente não pode ser associado a esse profissional. O foco do coaching é fazer com o que o indivíduo amplie seu autoconhecimento e encontre em si mesmo as respostas que precisa para melhorar e desenvolver habilidades, sempre olhando para o presente e para o futuro. 

Em um mercado onde existem tantos pseudos profissionais e institutos, é delicado colocar em uma novela de amplitude nacional informações sem fundamento que deturpam o real significado do coaching. Imaginamos que o assunto ainda voltará nos próximos capítulos. E justamente por isso acreditamos ser importante esclarecer ao público esses pontos. 

Seguimos à disposição caso necessitem de um auxílio mais aprofundado para transmitir essas ideias à audiência de maneira mais clara e efetiva. Como uma organização de coaching séria, há mais de 15 anos no mercado, nosso único interesse é informar didaticamente o papel de um profissional da área e a metodologia. 

Atenciosamente, 

Sulivan França

Presidente da SLAC – Sociedade Latino Americana de Coaching"