Stand up desk ganha vez em empresas e exige cuidados no look

Marisa Meltzer - O Estado de S.Paulo

Estudos mostram que mulheres que passam pelo menos seis horas por dia sentadas apresentam risco de morte 37% maior. Com a chegada das estações de trabalho em pé, funcionários reavaliam escolhas de roupas no dia a dia

Foto: Elizabeth Lippman/The New York Times

A novidade entre funcionários de empresas nos Estados Unidos é trocar a mesa por uma estação de trabalho em pé. Antes relegado aos mais obcecados com questões ergonômicas, o modelo batizado de "stand up desk" vem se tornando popular e gigantes como Chevron e Apple já o oferecerem como opção. No Brasil, start ups e algumas empresas de tecnologia, a exemplo do Google, também já adotam a prática. “Trata-se de uma tendência de saúde”, diz Lisa Raphael, líder da equipe editorial do site americano Brit & Co, que usa uma stand up desk na esperança de se livrar das dores nas costas. “Li muitos estudos que indicam que ficar sentado é, para a nossa geração, o novo tabagismo.”

De acordo com o Estudo de Prevenção do Câncer II da American Cancer Society, desenvolvido ao longo de 24 anos, mulheres que passaram pelo menos seis horas por dia sentadas apresentaram risco de morte 37% maior em relação àquelas que passaram três horas ou menos. Entre os homens, a diferença foi de 17%. Segundo o ortopedista Alexandre Fogaça Cristante, cirurgião de coluna da Clínica Vertebrae e professor da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo, o ideal é revezar entre os dois, sem passar muito tempo sentado nem em pé. 

Foto: Jason Henry/The New York Times

Para encarar a mudança de estação de trabalho, muitos funcionários estão reavaliando as escolhas de roupas para o dia a dia. Saltos altos, por exemplo, devem ser evitados. “Sapatos confortáveis, com um pequeno salto de dois ou três centímetros e sola acolchoada são os ideais”, diz Alexandre Cristante. Lisa, por exemplo, adotou o hábito de ficar descalça no escritório. Isso mesmo! “Sou de Nova York e sempre usei salto", conta. "Venho ao escritório de salto, mas trabalho descalça, de sandália ou com um calçado de sola plana. Tenho modelos mais chiques para reuniões. Há uma sapataria sob a minha mesa.”

 

Como meio termo entre os saltos e os tênis, informais demais, a plataforma (que está super em alta, aliás) pode surgir como opção. Chrysanthe Tenentes, 35 anos, consultora que trabalha com desenvolvimento de público para a Yahoo News and Politics, está entre as que prefere o modelo quando trabalha de pé. O look também exige cuidados extras, já que fica mais em evidência. Para o estilista William Graper, não erra quem aposta em peças de corte e caimento impecáveis. Vestidos de linho, que em geral amassam ao sentar, agora ganham passe livre no closet profissional. Pretende aderir às stand up desks? Então atente ainda para a postura. “É bom colocar um degrau na frente das pernas para apoiar um dos pés e alternar a base ao longo do dia”, indica o ortopedista Cristante. “E as mesmas regras das distâncias da tela do computador ou do apoio para os braços se aplicam: a tela deve ficar na altura dos olhos e os cotovelos, dobrados com apoio para os punhos.”

Tradução de Augusto Calil, com reportagem adicional de Marília Marasciulo