SPFW abre com desfile de roupas feitas por presidiários

Natália Guadagnucci - Especial para O Estado de S. Paulo

Coleção é fruto do Projeto Ponto Firme, que oferece aulas de crochê em penitenciária de Guarulhos

Projeto já formou mais de 100 alunos no presídio Adriano Marrey

Projeto já formou mais de 100 alunos no presídio Adriano Marrey Foto: Danilo Sorrino/ Divulgação

Pela primeira vez, uma coleção desenvolvida por detentos estará na passarela da São Paulo Fashion Week (SPFW). O projeto Ponto Firme, idealizado pelo designer e artesão Gustavo Silvestre, vai abrir a 45ª edição do evento, que acontece entre 21 e 26 de abril no Parque do Ibirapuera. Há mais de dois anos, a iniciativa oferece um curso técnico de crochê na penitenciária masculina Adriano Marrey, em Guarulhos, na Grande São Paulo, que garante certificação e também remissão de pena aos participantes. 

“No começo, os rapazes faziam crochê bem simples. Com o tempo, começaram a criar peças de decoração e tapeçaria, e evoluíram para a confecção de roupas”, diz Gustavo. Para exibir as últimas criações dos detentos, ele organizou um desfile na última quarta-feira, 4, dentro do próprio presídio. “É importante sempre criar um propósito para mantê-los interessados”, explica o estilista, que já formou mais de 100 alunos com o Ponto Firme.

Peças de crochê serão desfiladas no primeiro dia da SPFW

Peças de crochê serão desfiladas no primeiro dia da SPFW Foto: Danilo Sorrino/ Divulgação

O resultado final das roupas de crochê foi tão positivo que Silvestre quis expandir os horizontes do projeto. “Pensei que seria muito legal se pudéssemos mostrar essas peças fora [da penitenciária]. Então procurei o Paulo Borges [criador e diretor criativo da SPFW], que recebeu a ideia de braços abertos. O projeto tem essa natureza, as pessoas quando entram em contato sempre querem contribuir de alguma forma”.

O desfile na semana de moda será uma versão expandida do que já foi mostrado, com direito a looks exclusivos para o evento e uma parceria com a Melissa, que trará sapatos da marca customizados pelos detentos. “O poder de transformação está em nossas mãos”, escreveu o artesão em seu Instagram.