Pensemos na criação de um mapa para orientar nossa vida

Barton Goldsmith - O Estado de S.Paulo

Olhando ao meu redor, vejo muita coisa acontecendo na comunidade e me pergunto: 'Será que eu aproveito pelo menos 10% do que se passa perto de mim?'

Encontrar a plena satisfação é realmente o mapa do tesouro que todos deveríamos seguir

Encontrar a plena satisfação é realmente o mapa do tesouro que todos deveríamos seguir Foto: Mode de Vie Software/ Creative Commons

Precisamos sair para ver o que acontece no mundo. Gostemos ou não, isto nos permite perceber onde nos encaixamos e onde não, porque o que importa é saber. Quero conversar com meus amigos, e quero fazer muitas coisas em casa nos finais de semana, mas como combinar tudo isto? Convidei um casal de colegas e estamos fazendo algumas coisas por aqui, depois sairemos para um passeio de barco e talvez a gente assista a um jogo. Isto bastará para hoje, mas, como moldar uma vida na qual nos sintamos realizados e saber que amanhã será a mesma coisa? Resposta: Não sabemos e nem podemos saber, portanto teremos que viver um dia de cada vez.

É um velho ditado, mas ensina muitas coisas. Podemos planejar o nosso dia a nosso bel prazer, e mesmo assim esbarraremos em problemas, mas não podemos deixar que isto nos desanime. Infelizmente, a maioria acaba se desestimulando muito facilmente com as distrações externas e os conflitos internos. Façamos a paz com o nosso dia, e poderemos fazê-lo sendo gentis conosco mesmos. Se não conseguirmos hoje, amanhã está logo ali. Se os nossos entes queridos não estiverem presentes para nos ajudar na casa, chamaremos um amigo, e se não encontrarmos ninguém, mudaremos nossos projetos. Às vezes, talvez achemos que fazer o que podemos, quando podemos, é mais fácil do que tentar planejar com vistas ao futuro, e mais satisfatório do que não fazer nada. Isto faz parte da vida num certo momento.

Encontrar a plena satisfação é realmente o mapa do tesouro que todos deveríamos seguir. A única coisa é que poderá ser diferente para cada pessoa no planeta. Não seria fantástico se, quando nos uníssemos a alguém, pudéssemos colocar os nossos mapas lado a lado e comparar nossos objetivos, caminhos e nossos planos para alcançá-los? Isto responderia a muitas das perguntas que nunca nos preocupamos em fazer quando começamos um relacionamento com alguém. É só um pensamento ...

Para o presente momento, talvez valha a pena criarmos um mapa pessoal, somente para termos mais clareza quanto ao patamar onde gostaríamos de nos encontrar daqui a alguns anos. É claro que muitas coisas mudarão, mas estabelecer um rumo, mesmo com inúmeros desvios, é muito melhor do que nos deixarmos levar pelo vento. O caminho fixado nos mantém centrados e nos dá uma direção quando mais precisarmos dela. Mesmo que nunca olhemos para o mapa dali em diante, o fato de tê-lo na nossa cabeça nos proporcionará uma força maior para ajudar-nos a ir em frente neste louco mundo.

Tradução de Anna Capovilla