O tapete vermelho Oscar 2016

Maria Rita Alonso, Giovana Romani e Anna Rombino - O Estado de S.Paulo

Princesas, sereias e mocinhas: a nova safra de atrizes de Hollywood, que inclui Jennifer Lawrence, Alicia Vikander e Brie Larson, roubou a cena no red carpet com looks frescos, românticos e certinhos

Uma nova geração de estrelas hollywoodianas dominou o red carpet na premiação do Oscar, que ocorreu na noite do último domingo, 28, em Los Angeles. Todas vestidas por jovens estilistas que comandam a cena fashion atualmente. Duas foram de princesa. A sueca Alicia Vikander recebeu a estatueta de melhor atriz coadjuvante de amarelo, em um modelo feito sob medida por Nicolas Ghesquière, da Louis Vuitton. Indicada ao Oscar de melhor atriz, a americana Brie Larson estava com look azul assinado por Alessandro Michele, da Gucci. Embora ambos sejam vanguardistas, no tapete vermelho ousaram pouco (Alicia chegou a ser comparada com a Bela, de “A Bela e a Fera”, no território sempre debochado das redes sociais). Quem surpreendeu e brilhou? Jennifer Lawrence, com um Dior sensual criado pela equipe de designers que assumiu a grife depois da saída repentina do estilista Raf Simons.

Enquanto isso, as divas consagradas do cinema, Cate Blanchett e Julianne Moore, optaram por looks criados pelos mais experientes estilistas na ativa. Estavam bonitas e sofisticadas. Juliane com um longo preto, da coleção de alta-costura da Chanel, desenhado por Karl Lagerfeld. Cate optou por um Giorgio Armani meio sereia, verde e com aplicações de flores. O “sereismo”, aliás, é a tendência da vez: caudas longas, decote V e cintura e quadris marcados deram o tom da noite. Cabelos soltos, bem naturais, ou presos apenas na frente, ajudaram a compor o visual romântico e feminino da maioria das mulheres. Se o tapete vermelho do Oscar é considerado a passarela mais importante do mundo, pode-se dizer que a moda agora está mais do lado das mocinhas comportadas do que das vilãs matadoras.