Marchesa cancela desfile na Semana de Moda de Nova York

Leanne Italie - Associated Press

Grife fundada pela ex-mulher do produtor de cinema Harvey Weinstein estava com apresentação marcada para o dia 14 de fevereiro

Modelo no backstage antes do desfile da coleção primavera-verão 2018 da Marchesa

Modelo no backstage antes do desfile da coleção primavera-verão 2018 da Marchesa Foto: REUTERS/Eduardo Munoz

A Marchesa, grife de vestidos luxuosos co-fundada por Georgina Chapman, ex-mulher do magnata de Hollywood Harvey Weinstein, cancelou seu desfile na Semana de Moda de Nova York, marcado para o dia 14 de fevereiro. 

Em comunicado, a empresa afirmou que Georgina e sua sócia Keren Craig não estarão nesta Fashion Week, porém "esperam apresentar sua coleção de outono 2018 em um formato atualizado". A marca não deu mais detalhes sobre os motivos do cancelamento. 

A Marchesa é uma das marcas de mais destaque da NYFW há anos, porém houve um súbito desinteresse pela marca, inclusive na temporada de tapetes vermelhos, desde outubro de 2017, quando Weinstein foi acusado por dezenas de mulheres de assédio e abuso sexual. O produtor está sendo investigado pelas polícias de Nova York e da Califórnia. 

Dentre as artistas que frequentemente usavam Marchesa em premiações, Felicity Huffman e Jessica Chastain afirmaram que foram pressionadas por Weinstein a escolher vestidos da marca. Huffman afirmou que, em 2005, ele ameaçou tirar o financiamento de um filme caso ela não usasse a peça. 

A empresária deixou seu marido após as denúncias, mas se manteve em silêncio quanto ao futuro da marca. Está sendo especulado se Chapman e Craig poderão sobreviver economicamente após o ocorrido. A ideia de que  a empresa desapareça é improvável, mas seu impacto em Hollywood está em perigo - mesmo que seja muito cedo para saber se a Marchesa irá se beneficiar desta "falha de percurso" ou permanecerá fora do tapete vermelho, já que agora suas célebres clientes se recusam a falar o seu nome.