Manifestantes depredam lojas da H&M após anúncio considerado racista

Redação - O Estado de S.Paulo

Rede de lojas sueca havia publicado foto de menino negro vestindo moletom com a seguinte frase estampada: 'macaco mais legal da selva'

Lojas da H&M em Joanesburgo foram atacadas por partido de esquerda após veiculação de anúncio considerado racista

Lojas da H&M em Joanesburgo foram atacadas por partido de esquerda após veiculação de anúncio considerado racista Foto: Wikus de Wet/AFP

Lojas da rede H&M instaladas em Joanesburgo, na África do Sul, foram depredadas por manifestantes neste sábado, 13. De acordo com a agência de notícias AP, os ataques foram promovidos por membros do EFF, partido político revolucionário de esquerda.

O ataque do grupo foi uma resposta a um anúncio divulgado no início da semana no site da rede. Nele, um garoto negro aparecia vestindo um moletom com os dizeres 'o macaco mais legal da selva' estampados.

Três lojas foram depredadas pelo grupo. Julius Malema, líder da EFF, disse à South African Broadcasting Corporation que não se arrepende de ter promovido o ataque.

Assim que a campanha foi veiculada, a marca recebeu diversas críticas nas redes sociais e optou, horas depois, por removê-la do site e o produto de todas as lojas físicas. E também se desculpou pelo anúncio.