Ignore a ideia de que os pets são só animais

Barton Goldsmith - O Estado de S.Paulo

Se nos amássemos ou amássemos os outros seres humanos como amamos nossos companheiros de quatro patas o mundo seria muito melhor

Ninguém nos ama de modo tão incondicional como os nossos pets

Ninguém nos ama de modo tão incondicional como os nossos pets Foto: hs-park/ Creative Commons

Sentado no consultório do veterinário, permaneci em vigília enquanto minha cachorrinha Mercy se submetia a dois dos quatro procedimentos necessários para trazer de volta sua visão. Ela estava com catarata nos dois olhos e praticamente cega.

Não podia deixá-la ali a metade do dia e sair para fazer compras ou qualquer outra coisa. Tinha de estar presente caso ela ou o veterinário precisassem de mim, portanto lá permaneci.

Muitas pessoas ao lerem este artigo podem pensar que sou um desses psiquiatras totalmente neuróticos. Bem, talvez seja o caso, ou talvez porque, como muitas pessoas hoje, considero meus pets membros da família.

Quando retornamos para casa depois da cirurgia, achei que estava bem preparado. Coloquei-a num cercadinho, mudei os móveis para dar mais espaço para ela não se ferir. Mas não esperava ficar acordado até as 3h45 da madrugada porque o único lugar em que ela se sentia confortável era nos meus braços. Ela gemeu muito nos dois dias seguintes, mas finalmente dormiu na noite passada. Hoje está melhor, mas ainda se queixa um pouco no meu colo enquanto escrevo este artigo.

Mercy deve tomar quatro medicamentos, duas a três vezes por dia. É muita coisa. Sei que sou um enfermeiro abominável, mas ela terá os melhores cuidados, porque meu coração me torna muito forte para lidar com o que for preciso. Amor deve ser isto.

Algumas pessoas ainda rejeitam a ideia de que seus pets também são pessoas e os deixariam ficar cegos. Talvez tenham crescido com animais que foram tratados, bem, como animais. Sei que meus próprios pais jamais levariam qualquer dos nossos cães para uma operação de catarata, uma já estava cega. Lembro-me de olhar seus olhos esbranquiçados e me perguntar se ela conseguia me enxergar quando a alimentava com a mão. Mas este era o modo antigo de pensar. Hoje, para muitas pessoas, o relacionamento com seus animais de estimação é muito mais profundo. 

Pela manhã e na hora do jantar em minha casa, Mercy e meu gato comem primeiro. Todos dormimos no mesmo quarto, embora, por uma curiosa razão, meu gato adotou o banheiro da suíte como seu domínio. Não importa, numa determinada hora estamos todos na cama. As manhãs com o gato em meu peito e minha cachorrinha do meu lado são valiosas. Ninguém nos ama de modo tão incondicional como os nossos pets. Se nos amássemos ou amássemos os outros seres humanos como amamos nossos companheiros de quatro patas o mundo seria muito melhor.

Infelizmente muitas pessoas se voltam para os animais devido à sua frustração com a raça humana. Por isto há tantas emoções positivas quando nos relacionamos com nossos pets e ter um animal de estimação nos ensina alguma coisa sobre como viver a vida. Eles sempre amarão quem os trata com bondade e lhes dá um pouco de comida. Eu entendo perfeitamente isto, pois sou um pouco assim. 

Dr. Barton Goldsmith é psicoterapeuta em Westlake Village, Califórnia

Tradução de Terezinha Martino