'Gosto quando a roupa é esquisita e causa estranhamento', afirma Céu

Giovana Romani e Anna Rombino - Especial para O Estado de S. Paulo

Em turnê com shows de seu novo álbum, "Tropix", cantora lança linha em parceria com a Farm e fala sobre sua relação com a moda

Cantora Céu lança linha em parceria com a marca carioca Farm

Cantora Céu lança linha em parceria com a marca carioca Farm Foto: Divulgação

No clipe da canção "Perfume do Invisível", de seu novo álbum, "Tropix", a cantora Céu surge com um visual meio disco, meio 80's. Cabelos enrolados curtos com franja, legging de cintura alta, blusas de lamê... Para a artista paulistana, a moda ajuda a passar a mensagem da música. "Estou flertando com sons sintéticos, bem anos 1980", conta. "Então faz sentido trazer isso para o figurino. É bom poder ter a leveza de se reinventar no palco." 

Ao longo dos anos, Céu passou por uma transformação de estilo. Hoje lembra pouco a menina de visual hippie do início da carreira, dez anos atrás. Mas continua fã de estampas, peças artesanais e modelagens fluidas, como fica claro na coleção que ela acaba de lançar em parceria com a marca carioca Farm. Batizada de Velvet Caju, a linha é composta por 60 peças que mesclam a vibe oitentista (daí o velvet - veludo, em inglês) a referências artísticas bem brasileiras, como Jacob do Bandolim, Mestre Vieira, Luiz Melodia e Chiquinha Gonzaga.

Na semana passada, durante o lançamento da coleção na loja da Farm na Vila Madalena, em São Paulo, Céu animou a festa como DJ e falou ao Estado sobre sua relação com a moda, os figurinos de show e as inspirações para criar a linha.  

Por que criar uma coleção própria? E por que com a Farm?

Muitos anos atrás, no começo da minha carreira, quando eu tinha um estilo mais meninona, eles me davam roupas e sempre me apoiaram. Recentemente, fiz um show corporativo para um evento da marca e rolou o convite. Minha intenção era criar peças que queria ter e não achava, ou não tinha grana para comprar.

O que por exemplo?

O vestido-blazer de veludo molhado foi uma. Minha cabeça já estava na história do Tropix. Fui seguindo essa linha e, quando vi, a linha tinha 60 peças. 

Como foi o processo de criação até chegar a elas? 

Foi um trabalho delicado. Os estilistas da Farm me ouviram com muito respeito e me ajudaram a atraduzir o que estava pensando. Também rolou de eu colocar a mão na massa, desenhar, criar estampas. Formamos uma equipe de muita confiança, com as pessoas da Farm trabalhando ao lado da minha equipe - a Isadora Gallas, stylist que cuida dos figurinos dos shows e clipes, e o Diego Catani, que sempre fez meus acessórios. 

Hoje você está de vestido preto com estampa, meia-calça fina rasgada e escarpins meio vintage. É mesmo um momento oitentista, certo? 

Estou flertando com sons sintéticos, bem anos 1980. Então faz sentido trazer isso para o figurino. Não é uma coisa pensada, totalmente disco ou flashdance. É bom poder ter a leveza de se reinventar no palco. Nessa turnê, meu figurino tem muito lamé, brilho, veludo molhado... 

E o cabelo também está supermoderno. 

Cortei com o Mauro Freire, super especialista em cachos. Acho lindo cabelo enrolado com franja. É perigoso, mas bonito, interessante, e eu estava com vontade de ficar com esse visual capacetinho.  Estou usando faz um tempo. Cabelo cacheado é bom porque se transmuta, nunca está igual.

O que você veste no dia a dia?

Sou básica e não costumo me montar. Estou treinando meu olhar para cada vez mais ter um guarda-roupa atemporal, com poucas peças que se destacam. Não acho bacana ter um armário gigantesco. Quero ter cada vez menos. Gosto de um bom jeans, amo camiseta de listras equase não uso salto. Prefiro sandália baixa, tênis, mocassim. 

No começo, você tinha um estilo mais menina, usava muitos vestidos... O que mudou? 

Eu era mais brasileira, mais hippie, uma coisa meio Vila Madalena. Essa é minha essência, sou mesmo superligada à natureza. Ainda trago isso no visual, gosto muito de estampa, de cor. Mas hoje tenho 36 anos e evoluí muito o estilo. Eu me permito mudar. 

Como você consome moda?

Gosto de ver campanhas, tenho Pinterest, curto assistir a desfiles. Agora estou apaixonada pelo estilista Dris Van Noten e gosto bastante de Sonia Rykiel. Gosto quando a roupa é esquisita  e causa estranhamento. Acho curioso e penso: "da onde ele saiu para chegar nisso?".