Esta noiva muçulmana não usou maquiagem e nem joias em seu casamento

Redação - O Estado de S. Paulo

Seu post no Facebook explicando o porquê já conta com mais de 25 mil compartilhamentos

Tasnim Jara e seu marido Khaled Saifullah

Tasnim Jara e seu marido Khaled Saifullah Foto: Facebook/ Tasnim Jara

Tasnim Jara optou por ir na contramão do comum entre noivas ao decidir que não iria usar maquiagem ou joias durante o seu casamento. Muitos de seus convidados perguntaram o porquê de ela ter feito esta escolha e, para responder a todos, ela escreveu um texto com os seus argumentos no Facebook. O post viralizou e já conta com mais de 25 mil compartilhamentos. 

“Eu cheguei à recepção do meu casamento usando um sari branco de algodão da minha avó, sem nenhuma maquiagem ou joia. Muitos me perguntaram o porquê. Então aqui está o motivo”, escreveu Tasnim na rede social. “Eu tenho problemas com a imagem de noiva que a nossa sociedade possui - com muita make, um vestido pesado e diversas joias por seu corpo”.

Ela divide que já estava cansada de ouvir fofocas sobre outras noivas em casamentos de que já havia participado: “‘Ela está bonita o bastante?’, ‘quanto ouro está usando?’, ‘quanto custou o vestido?’. Ao crescer ouvindo estas perguntas, a mulher é levada a sentir uma pressão de que precisa do melhor maquiador da cidade e deve gastar uma grande quantidade de tempo, dinheiro e energia para acabar nem parecendo consigo mesma. Tudo porque a sociedade a faz acreditar que a sua própria pele não é o suficiente para seu casamento”.

Tasnim pontua também que não é um problema querer este tipo de visual para o seu dia especial. “Não me leve a mal, se a menina quer usar maquiagem, joias e roupas caras, eu dou todo o meu apoio. Mas o problema é quando ela perde sua sanidade escolhendo o que usar no dia”.

Portanto, sua escolha para o seu casamento foi uma forma de tentar mudar esta mentalidade. “Uma menina não deveria precisar de uma loção clareadora, um colar de ouro ou um sari caro para ser aceita como noiva ou se sentir confiante”, divide. E ela ainda finaliza: “As pessoas podem me chamar de simples, mas foi uma ação muito especial para mim, pelo que eu acredito”.