Coturnos compõem looks de verão

Marília Marasciulo - O Estado de S.Paulo

Ainda mais pesado, modelo aparece combinado a shorts e vestidos e ganha vez entre fashionistas. Veja a história do sapato e ideias de como usá-lo

A blogueira italiana Chiara Ferragni chamou a atenção na Semana de Moda de Nova York com coturnos pesadíssimos da grife Alexander Wang. O solado plataforma tratorado está em alta.

A blogueira italiana Chiara Ferragni chamou a atenção na Semana de Moda de Nova York com coturnos pesadíssimos da grife Alexander Wang. O solado plataforma tratorado está em alta. Foto: Reprodução

 

Com ar punk, pesados ou em versões mais leves, desde os anos 1960 e 1970 os coturnos deixaram o campo de batalha para ganhar as ruas. Antes mais usado entre tribos de punks e roqueiros, cada vez mais o modelo vem caindo nas graças de fashionistas. Na Semana de Moda de Nova York, que ocorreu entre os dias 9 e 17 deste mês, um look em particular chamou a atenção: a combinação de modelos pesadíssimos Alexander Wang com um micro short jeans, usada pela blogueira italiana Chiara Ferragni.

 

“O coturno deixa qualquer produção mais estilosa e não distingue gênero, fica bem em homens e mulheres”, diz a consultora de moda Dhora Costa, professora do curso de moda do Centro Universitário Belas Artes, de São Paulo. “Mesmo no verão, o visual não fica ruim - é só questão de aguentar o calor, pois ele realmente esquenta.” De short a vestidinho leve à infalível calça skinny, o coturno mostra ser uma opção versátil. Segundo Dhora, deve-se atentar apenas para a altura do cano. “Os que terminam na panturrilha podem fazer as pernas parecerem mais grossas”, explica.

 

 

Há registro de sapatos que se assemelhavam ao coturno desde a Grécia e Roma antigas, mas a criação do modelo como o conhecemos hoje data de 1940, quando seu uso era restrito aos militares. A história da transposição para a moda começou depois do fim da Segunda Guerra Mundial e se confunde com a de uma das marcas mais conhecidas, a Dr. Martens. Como o nome sugere, a grife foi criada por um médico do exército alemão chamado Klaus Märtens. Após ter os pés machucados pelos coturnos desconfortáveis que eram padrão entre os militares, Märtens projetou melhorias para as botas, como o couro mais macio e as solas com amortecimento aerado. 

Em parceria com um amigo, o também médico Herbert Funck, ele aprimorou os sapatos usando borrachas descartadas pela Força Aérea alemã. O resultado? Coturnos confortáveis e extremamente resistentes, que fizeram sucesso - veja só - entre donas de casa com mais de 40 anos. Em 1960, os coturnos de Dr. Martens desembarcaram no Reino Unido, ficaram populares entre trabalhadores e começaram a ser adotados também por grupos que se identificavam com a classe operária: skinheads, punks e grunges. 

Daí em diante, viraram itens de moda e ganharam inúmeras versões de diversas marcas. 

Modernizada, a bota de cano médio, com cadarço e solado de borracha, aparece agora com estampa floral, dobras, enfeite de tachas, plataforma… E com preços variados. No Brasil, um par de Dr. Martes custa em média mil reais. Já o coturno de Alexander Wang usado pela blogueira italiana Chiara Ferragni sai por US$ 1.195 - ou cerca de R$ 4800 reais.