Conheça os detalhes do figurino de 'O Rebu'

Helena Tarozzo - O Estado de S.Paulo

Um dos atrativos da trama, as roupas usadas na minissérie chamam atenção pela elegância e ousadia

Maria Angélica (Camila Morgado) vestida de Emannuelle Junqueira com referência aos anos 20

Maria Angélica (Camila Morgado) vestida de Emannuelle Junqueira com referência aos anos 20 Foto: Globo/Estevam Avellar

A remontagem da minissérie O Rebu, ao ar na faixa das 23h na Rede Globo, está dando o que falar. Cada capítulo dura apenas 25 minutos, a trama é curta e envolvente, as cenas são quentes, o elenco está repleto de estrelas e, entre todos esses atrativos, está também o figurino. A produção deu um passo certeiro ao escolher a dupla de figurinistas Cao Albuquerque e Natália Durán para cuidarem do visual da trama. Juntos, eles trouxeram uma elegância fina para mostrar esse universo à parte que é a alta-sociedade carioca.

Com vestidos repletos de bordados e bem cortados, silhuetas que primam pelo minimalismo - e, nem por isso, deixam a sensualidade de lado - as atrizes, Sophie Charlotte, Patrícia Pillar, Cássia Kis Magro, Camila Morgado e Laura Neiva brilham entre o suspense do assassinato que guia o texto de Bráulio Pedroso.  Elas vestem grifes nacionais como Emannuelle Junqueira, Martu e Sônia Pinto, e outras internacionais, como Carolina Herrera, Burberry, Lanvin e Mara Mac. O que mostra um maior interesse que vem crescendo entre marcas e a televisão, coisa que acontece há algum tempo nos filmes de Hollywood.

A história se passa toda em um dia e a remontagem, dirigida por José Luiz Villamarim, ganhou recursos de flashback para ter mais dinâmica. A dupla de figurinistas acompanha todas as filmagens e usa dois modelos iguais de cada peça para revezar durante as gravações. Conversamos com Albuquerque e Durán e eles contam mais sobre a realização: 

Como funciona o trabalho de vocês juntos?

Natália Durán: Somos sócios, cúmplices e parceiros. Conseguimos achar uma dinâmica muito nossa, depois de alguns trabalhos juntos, além de muita harmonia. É como um casamento perfeito, onde um completa o que falta no outro. Temos muita admiração e respeito mútuos, coleguismo e uma vontade e interesse enormes em realizar o trabalho da melhor forma. Acreditamos nos nossos projetos e no talento um do outro.

De onde partiu o estudo para a construção dos figurinos de festa? Eles têm aquele ar sofisticado, alguns um pouco vintage, mas todos super modernos...

Cao Albuquerque: Fizemos uma grande pesquisa de universos refinados como Mônaco, por exemplo, onde grandes festas acontecem. Nossa intenção é mostrar que esses eventos existem de fato, com pessoas reais. Não são festas que têm o mero objetivo de reunir celebridades, mas convidados que, apesar de serem ricos e poderosos, também estão ali para se divertir. E a grande sacada do figurino, dentro desse contexto, é mostrar que a elegância não se atrela necessariamente à extravagância ou ao exagero.

O figurino de Duda (personagem de Sophie Charlotte) é o famoso "sexy sem ser vulgar" e está entre os favoritos da novela. Quais marcas vocês escolheram para ela vestir?

Natália Durán: A Duda veste marcas nacionais e estrangeiras. Martu, Mara Mac, Davidson Zanine e Zara são algumas delas. 

E para os outros personagens?

Natália Durán: De forma geral, Divina Pele, BannyPel, Sônia Pinto, Lanvin, Carolina Herrera, Lafort, Armani e outras marcas ajudaram a compor o figurino dos outros personagens da trama. 

Vocês escolheram grifes nacionais e internacionais, certo? Qual a importância de ter também as estrangeiras na trama?

Cao Albuquerque: Foi algo natural no processo de escolha do figurino, não necessariamente intencional. Trabalhamos com as grifes não por serem nacionais ou estrangeiras, mas quando casam com as expectativas do texto para a personalidade dos personagens.

Soube que, por causa dos flashbacks e da linearidade diferente da trama, vocês tiveram que optar por dois modelos de cada peça. Vocês poderiam falar um pouco mais sobre como o roteiro influenciou a escolha de vocês?

Natália Durán: Optamos por trabalhar com dois modelos de cada peça justamente por isso mesmo. Como os personagens trocam pouco o figurino, precisamos nos precaver com mais de uma peça para cuidados como limpeza ou quaisquer outros casos de emergência.

Vocês esperavam esse sucesso todo do figurino?

Cao Albuquerque: É claro que sempre temos as melhores expectativas, mas não esperávamos que um figurino pequeno, em razão da linearidade da trama, fosse repercutir de forma tão grande. Estamos felizes com o resultado.