Conexão Brasil-Bolívia

Marília Marasciulo - O Estado de S.Paulo

De olho no mercado externo, o programa Textbrasil promove ação para introduzir marcas nacionais de moda no país vizinho

Coleção primavera/ verão 2016 Scarf Me

Coleção primavera/ verão 2016 Scarf Me Foto: Divulgação

Esqueça grifes italianas, francesas ou mesmo americanas. Na Bolívia, o que faz sucesso mesmo são as marcas brasileiras. Segundo dados da Associação Brasileira de Indústria Têxtil (Abit), em 2014 o Brasil foi responsável por 19% das importações de confecção do país, atrás somente da China. O mercado boliviano movimentou US$ 11,8 milhões em exportações brasileiras, um aumento de 9% em relação ao ano anterior.

 

De olho neste mercado, o Texbrasil, Programa de Internacionalização da Indústria da Moda Brasileira, criou no ano passado um projeto para expandir as relações com a Bolívia, que terá sua ação principal no próximo sábado, 12: a abertura de uma Pop Up Store em uma das principais multimarcas do país, a Marcia.Maria, em Santa Cruz de la Sierra.

Coleção primavera/ verão 2016 Maria Filó

Coleção primavera/ verão 2016 Maria Filó Foto: Divulgação

 

“Santa Cruz é a cidade da moda na Bolívia e várias marcas brasileiras, como PatBo, Vix, Le Lis Blanc, Animale e Capodarte já são vendidas nas principais multimarcas”, explica Adriana D'Agostini, gerente de promoção comercial do Texbrasil. “Nossa ideia é chamar a atenção para as novas coleções das marcas existentes e introduzir novos nomes no catálogo das lojas.”

 

No espaço, haverá 15 marcas nacionais: Animale, Maria Valentina, Morena Rosa, Zinco, Shoulder, A.Brand, CYN, Maria Filó, Cholet, Scarf Me, Joy, Letage, Karin Feller, DB Rainbow, Intensify Me. As últimas oito são as novidades selecionadas a dedo pelas sócias da loja durante visitas ao Brasil. “Nós buscamos criar um mix completo, com peças de diferentes estilos, para garantir que as clientes encontrem exatamente aquilo que desejam”, diz Adriana.

Com a ação, que dura até janeiro do ano que vem, a expectativa é movimentar R$ 2,5 milhões, além de consolidar as relações entre os países. “Se der certo, esperamos que as marcas continuem exportando suas coleções e que possamos trazer cada vez mais a moda brasileira para a Bolívia”, afirma Adriana.