A nova geração do street style no Brasil

Jorge Grimberg - O Estado de S.Paulo

Em exposição, o fotógrafo Hick Duarte retrata uma nova tribo urbana com um olhar sensível sobre a moda em São Paulo

Na exposição YOUTH, jovens da periferia paulistana são retratados com sensibilidade, senso estético singular e olhar de moda apurado

Na exposição YOUTH, jovens da periferia paulistana são retratados com sensibilidade, senso estético singular e olhar de moda apurado Foto: Hick Duarte

O fotógrafo Hick Duarte é um visionário. Bem conhecido entre os profissionais de moda da cidade, o mineiro de Ubêrlandia conquistou o mercado com uma visão única e original, que se destaca em meio ao bombardeio de imagens de looks e produtos que nos atingem em velocidade máxima nas redes sociais. 

Hick trabalha com grandes e pequenas empresas de moda no Brasil, mas agora o seu olhar puro e original é revelado ao grande público na exposição YOUTH, em que jovens da periferia paulistana são retratados com sensibilidade, senso estético singular e olhar de moda apurado.

Em um papo franco, Hick revela o pensamento por trás das imagens na busca do real street style brasileiro. 

Sempre achei um desafio identificar a real moda de rua no Brasil, principalmente pelas diferenças sociais. Mas me parece que você encontrou um grupo urbano que se une, independentemente da classe, por meio da informação. Como você define esse grupo?

É um grupo de jovens que consome cultura urbana global pela internet, dos novos movimentos na Rússia à vanguarda de Nova York, e os adaptam à realidade em que se encontram. Eles se viram para se conectar com esse universo. Constroem uma imagem virtual, se unem a outros com as mesmas afinidades estéticas e garimpam roupas em brechós já que não podem comprar em lojas de grife.

Onde você costuma fotografá-los?

Em São Paulo. Eles não são de um meio altamente favorecido e a maior parte vive na periferia. Mas estão sempre presentes no centro, nos "picos" de skate, em eventos específicos das marcas que curtem e com as quais se identificam. Fiz as fotos da exposição na Praça Roosevelt, em torno do Copan. O centro de São Paulo é muito diverso e tem se revitalizado com força.

O fotógrafo Hick Duarte fez as imagens da exposição na Praça Roosevelt, próximo ao Copan

O fotógrafo Hick Duarte fez as imagens da exposição na Praça Roosevelt, próximo ao Copan Foto: Hick Duarte

Como você descreve o comportamento de moda dessa tribo?

É muito orgânico. Eles enxergam moda mais do que em editoriais, desfiles ou grandes campanhas. As gêmeas que fotografei disseram que buscam referências para os seus looks em capas dos discos dos anos 90, por exemplo. Os meninos têm ícones de estilo que não são celebridades e fogem completamente do mainstream. Eles curtem marcas independentes, novos designers, e acompanham esses movimentos com mais frequência do que fazem com grifes consolidadas.

As gêmeas da série YOUTH por Hick Duarte

As gêmeas da série YOUTH por Hick Duarte Foto: Hick Duarte

Existem códigos que definem esses jovens? Como uma maneira de usar jeans ou arrumar o cabelo?

Eles são bem diversos entre si, mas existem alguns códigos, sim. Os meninos negros, por exemplo, assumem o cabelo natural, brincam com shapes, fazem tranças, nada de alisar. Usam estampas de forma bem pontual, mais quando o que está estampado é um código direto, como logotipos conhecidos. Eles têm também uma vontade de ressignificar uma moda dos anos 90: calça de cós alto, tênis All Star sujo e blusas de gola alta.

Meninos assumem o cabelo natural e brincam com forma e tranças na mostra YOUTH, por Hick Duarte 

Meninos assumem o cabelo natural e brincam com forma e tranças na mostra YOUTH, por Hick Duarte  Foto: Hick Duarte

Em geral, as imagens dos jovens brasileiros de street style surgem na mídia durante o São Paulo Fashion Week. Você acha essa amostra representativa?

Sim. São jovens ligados mais diretamente ao mercado de moda. Mas, além disso, gosto muito de saber o que os "outsiders" estão vestindo, assistindo e consumindo também.

O Instagram e os blogs passaram a definir uma realidade virtual para os jovens que é comercialmente interessante para as marcas, mas também confunde a formação de personalidade dos adolescentes. Existe espaço para o real na fotografia de rua? Como você vê a nova geração de fotógrafos e ícones de estilo no Brasil?

A fotografia de rua só é o que é pelo elemento "realidade". Não dá pra forjar um personagem ou uma situação se quer documentar cultura de rua. Ou então você será confrontado por quem de fato vive aquela realidade. Acho que os fotógrafos mais bem-sucedidos desse segmento são os que souberam desenvolver um olhar atento para a autenticidade. Diferenciar verdade de pose, estilo de consumo de tendências. Isso muitas vezes requer pesquisa e investigação, pois algumas das pessoas mais inspiradoras em moda não fazem questão de projetar tanto a sua própria imagem. Aprender moda com quem não é da moda sempre me rendeu as lições mais interessantes.

Exposição YOUTH por Hick Duarte

Onde: Livraria Prince, Rua Oscar Freire, 1.128

Quando: De 27 de novembro até o fim de 2015