Você é o que come?

- O Estado de S.Paulo

Profissionais de nutrição funcional garantem que os alimentos podem fazer milagres pelo cabelo, manter a pele saudável e até combater a celulite

Emagrecer, ter uma vida mais longa, equilibrada, saudável, uma pele jovem e sadia, um cabelo de provocar inveja em Cléo Pires e um bumbum sem celulite. Parecem desejos impossíveis de realizar, mas há quem garanta que tudo isso, e mais um pouco, pode estar no seu prato de comida. Dependendo da forma como você se alimenta e do que come pode obter esses e outros benefícios. O segredo, dizem os especialistas, está nas dietas personalizadas, que podem promover o equilíbrio nutricional. ´Por meio de histórico do paciente e exames é possível identificar desequilíbrios na alimentação e situações emocionais que acabam alterando o funcionamento do corpo´, explica a nutricionista Daniela Jobst, especialista em nutrição funcional. Segundo ela, muita gente hoje já chega ao consultório com objetivos estéticos, querendo tratar das rugas, buscar um cabelo sedoso, unhas fortes e um bumbum lisinho. ´Esses resultados são obtidos porque a dieta individualizada equilibra todo o organismo e vai repercutir em tudo.´ Atenção: não adianta dizer que tudo é bom para todo mundo. ´Cada indivíduo é de um jeito e, entre os alimentos, há aquele que para uma pessoa é remédio e que pode ser veneno para outra. Não dá para generalizar´, alerta a nutricionista. Não há o alimento-milagre, mas alguns, que são fonte de nutrientes específicos, possuem efeitos notáveis. É o caso, por exemplo, dos formadores de colágeno (como manganês e cobre). Os alimentos que fornecem esses nutrientes (como feijão, lentilha, grão-de-bico, nozes) vão acabar gerando um efeito estético positivo. ´Ninguém consegue melhorar nada esteticamente se não for de dentro para fora. Se está com alimentação inflamatória (que é a maior causa da celulite), não adianta só fazer massagem e passar cremes´, avisa. Como saber se a alimentação vai deixar seu bumbum cheio de furinhos indesejáveis? Além do exame clínico, há outros, como aquele que promove a análise nutricional de uma gota de sangue, além de aparelhos que testam a sensibilidade alimentar, chamados de vegateste ou bioressonância. Também já é possível descobrir, nas livrarias, como usar os ingredientes para ter um corpo sarado. Esse é o tema de Inteligência Alimentar (Ed. Scortecci, 224 págs.), em que o autor Eal Roper revela o que há por trás da composição dos alimentos.