Vaidade futebol clube

Vera Fiori - O Estado de S.Paulo

Eles passam os cremes adocicados da Victoria’s Secret e fazem tratamentos, sinalizando os novos tempos

.

Que os homens estão cada vez mais vaidosos, ninguém duvida. No quesito nécessaire, de todos os entrevistados, a mais recheada é a do atacante mineiro Fred, do Fluminense (leia entrevista). O jogador não vê problema algum em usar cremes e perfumes e, como diz, que mulher não gostar de sair com um homem cheiroso?

 

Endossando as palavras de Fred, uma pesquisa mostra que aparência deixou de ser uma preocupação típica da elite, chegando com tudo à classe C, chamada de "a nova classe média". Segundo sondagem feita em março pela agência de publicidade Mc Cann Erickson – mil questionários com casais entre 20 e 65 anos, cujas rendas variavam de R$ 1 mil a R$ 2 mil, de Recife, São Paulo, Rio, Porto Alegre e Goiânia –, o sorriso é a maior preocupação deles (87%). Na sequência, vêm os cuidados com bigode e barba (78%), peso (60%), musculatura (48%), pés (46%) e unhas (36%).

 

Veja também:

linkEntrevista: Fred abre o jogo

 

"Por trás desses números, está o desejo de ser reconhecido por pessoas das demais classes sociais em áreas de convívio comum, como shoppings, cinema ou shows", observa Aloísio Pinto, vice-presidente de planejamento da agência e responsável pela pesquisa. Para os homens da classe C, o asseio, o sorriso e as unhas são os principais cartões de visita. Um dado relevante é que 56% dos entrevistados afirmaram que passam creme no corpo para evitar o ressecamento.

 

Em 2005, o Brasil era o quinto maior consumidor do mundo de produtos de beleza e higiene masculinos. Em 2006, saltou para o terceiro lugar e, em 2007 e 2008, passou para o segundo, só perdendo para os Estados Unidos. O crescimento do setor é da ordem de 27,3%, índice que se destaca entre os dez maiores países do mundo. "É um desempenho excepcional", comenta João Carlos Basílio da Silva, presidente da Associação Brasileira da Indústria de Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos (Abihpec).

 

Um dos motivos que levam o brasileiro a investir mais na imagem, segundo Basílio, é o aumento da expectativa de vida, acima dos 72 anos, segundo levantamento feito em 2008 pelo IBGE. "Essa é a notícia boa. A ruim é que as pessoas terão de trabalhar mais, visto que o sistema previdenciário, público e privado, não terá condições de dar suporte aos anos extras de vida. Por isso, os homens precisam cada vez mais preservar a qualidade da pele, retardar o envelhecimento, para ter condições de disputar no mercado de trabalho. Hoje aparência saudável tem maior peso."

 

Mais vaidosos poderiam ter acesso aos cremes hidratantes se os tributos dessa categoria de produtos não fossem estratosféricos, com impostos na ordem de 77,75%, segundo o executivo. "O governo é míope em não enxergar os cuidados pessoais como algo essencial às camadas mais baixas da população. Se o Brasil é o segundo maior mercado consumidor de produtos masculinos do mundo, a sociedade está dizendo às autoridades que estes são essenciais", conclui.

 

MAIS DECIDIDOS

Na clínica do dermatologista Jardis Volpe, os homens respondem por 30% da clientela e, segundo ele, a tendência é aumentar. De acordo com o médico, o comportamento de homens e mulheres são diferentes no consultório:

 

– Em geral, eles são mais decididos e começam o tratamento imediatamente, preferindo os procedimentos menos invasivos e dolorosos. Muito mais do que elas, têm aversão a qualquer coisa que possa ficar artificial. A maioria vem só, mas as mulheres ou namoradas incentivam.

 

Segundo Volpe, 100% dos homens que o procuram, na faixa de 25 a 70 anos, fazem tratamentos de rejuvenescimento, com o Titan (infravermelho para flacidez) e o laser Lux , para suavizar rugas. Para combater os pneuzinhos na região abdominal, preferem aparelhos como o Ultracontour, ultrassom de alta potência que quebra gordura, e a conhecida "lipo a laser". A preocupação com pelos também existe, sobretudo na região da barba e costas. Mas a maioria prefere diminuir a quantidade a eliminá-los por completo.

 

IMAGEM

De 1 a 10, o publicitário Alexandre Silva, de 32 anos, daria 8,5 para a sua vaidade. Diz que, assim como na sua profissão a imagem de um produto é tudo, na vida real a aparência também conta pontos. "Cuidar-se é um sinal de preocupação com a saúde. O mundo está passando por transformações e o comportamento masculino está absorvendo essas mudanças", afirma.

 

ALEXANDRE – Dá nota 8,5 para a sua vaidade

 

Alexandre é um dos mais antigos frequentadores do EspaçoBe, moderno centro de estética em Santana, com um andar só para homens, onde não falta nem mesmo um bar. Com apoio total da mulher, corta o cabelo, faz massagem de 15 em 15 dias, limpa as sobrancelhas.

 

ANOS DE ESTRADA

O fisioterapeuta Raul Fernando Antonio, 40 anos, pode ser considerado um metrossexual precoce, pois, desde os 17 anos, usava creme no rosto, já pensando em prevenir o envelhecimento. Atualmente está mais ainda por dentro das novidades da beleza, já que, há seis meses, abriu um centro de estética com a mulher.

 

Sem o menor constrangimento, Raul conta todos os seus segredos de beleza, entre eles, aplicações de botox, máscaras faciais, peeling, tratamento para gordura localizada com o aparelho Manthus, coloração nos cabelos para disfarçar os fios brancos, creme anti-aging e filtro solar todos os dias. Disciplinado, antes de dormir, usa um spray no cabelo para ativar a circulação e prevenir a queda. "Depilação? Já raspei os pelos com lâmina, mas gostaria de experimentar o laser."

 

VICTORIA’S SECRET

De porte atlético, o analista de uma empresa de seguros, Gilfredo Santos, 38 anos, 1,75 metro de altura e 86 quilos, mantém a forma de duas maneiras. A mais divertida e prazerosa é dançando: "Gosto de samba e gafieira, ritmos acelerados que ajudam a perder calorias. A academia também faz parte da minha rotina. Malho quatro vezes por semana, alternando spinning e body jump."

 

GILFREDO – Fã da marca Victoria’s Secret

 

Os cuidados com a pele do rosto, corpo e cabelos não ficam atrás. Antenado, conhece marcas e tem as suas favoritas, como Nivea (gel esfoliante para rosto, e hidratante de aveia), Victoria’s Secret (hidratante), Dove (xampus, desodorante, hidratantes) e Boticário (pós-barba). Adora os perfumes Egoiste, de Chanel, DKNY Red Be Delicious e Giorgio Armani.

 

Segundo Gilfredo, o conceito de beleza, diferentemente de décadas atrás, está vinculado à saúde e qualidade de vida. "Até mesmo no mundo corporativo, existe uma preocupação com o bem estar dos funcionários. As empresas oferecem ginástica laboral, orientação alimentar com nutricionistas, massagens, entre outras coisas. No lugar onde trabalho, por exemplo, o departamento de Recursos Humanos promove minimaratonas. Esse conjunto de medidas acaba beneficiando o corpo como um todo."

 

MARKETING PESSOAL

Alguns homens, apesar de vaidosos assumidos, ainda se preocupam com a opinião alheia, especialmente se o ambiente de trabalho for um canteiro de obras. Como explicar para os peões que o chefe deles é elegante porque combate as gordurinhas localizadas com aparelhos e drenagem linfática? É mais ou menos assim que o arquiteto Milton Soares, 46 anos, se sente. "O pessoal não perdoa, sabe como é", diz ele, sobre o preconceito que ainda ronda os machões.

 

Casado com uma mulher bem mais jovem, ele se preocupa em estar bem para ela. Outro ponto, acrescenta, é a credibilidade perante os clientes: "Afinal, quem quer entregar sua casa ou escritório para um arquiteto barrigudo, mal vestido e enrugado?" E, assim, Milton vai driblando a ação do tempo com o que há de mais moderno nas clínicas de grife, como a Volpe. "Tiro vasinhos com laser, faço Manthus para perder medidas no abdome, e aplicações de botox. Gasto dez vezes mais do que a minha mulher, mas é um ótimo investimento em marketing pessoal."