Vacinação de gestante não está prevista, diz Butantã

Lígia Formenti, BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

A cepa do vírus A(H1N1) para a produção da vacina contra a gripe suína no Instituto Butantã chegou ontem ao Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP). Com a retirada do material, prevista para hoje, a expectativa é de que a produção comece em outubro. Serão produzidas 30 milhões de doses da vacina, quantidade insuficiente para uma campanha em massa. "Serão vacinados profissionais de saúde e pessoas mais expostas", disse o presidente do Butantã, Isaías Raw. Não há previsão de vacinação de grávidas, principal grupo de risco. "Há ainda dúvidas sobre a segurança do produto nesse grupo." Raw afirma que, enquanto não houver estudo que comprove que a imunização não prejudica grávida e feto, o ideal é manter a estratégia atual: tentar evitar a contaminação das gestantes e, nos primeiros sintomas, indicar o uso do oseltamivir. Raw afirma que a vacinação contra a gripe suína começa no próximo ano. Além disso, serão aplicadas entre janeiro e abril vacinas contra gripe sazonal.No entanto, além de idosos, a vacinação contra a gripe comum também será feita em crianças em idade escolar. Ontem, o Ministério da Saúde atualizou os números da gripe no País. Foram confirmadas 192 mortes, das quais 28 em grávidas - mas dados atualizados das secretarias mostram pelo menos 211 mortes. A circulação do vírus aumentou. Agora, de todos os casos de influenza confirmados, 77% são provocados pelo H1N1. Há três semanas, esse índice era de 60%. "Há tendência de aumento da circulação do vírus", confirmou o diretor de Vigilância Epidemiológica do Ministério da Saúde, Eduardo Hage. Entre pacientes do Instituto Emílio Ribas e Hospital das Clínicas de São Paulo, o fenômeno foi constatado. "Cerca de 90% dos casos internados são de gripe suína", conta o diretor do Emílio Ribas, David Uip. Uip e Raw participaram, ao lado de especialistas e do ministro da Saúde, José Gomes Temporão, de uma audiência para discutir o rumo da doença no Brasil. O ministro informou que o governo está negociando a compra de mais 9 milhões de tratamentos do antiviral. O medicamento, pronto para uso, chegaria nos primeiros meses do próximo ano.