Temporão diz que chegada da gripe suína ao País é ''inevitável''

Fabiana Cimieri, RIO; Felipe Oda, JORNAL DA TARDE - O Estado de S.Paulo

Ministro afirma que ?não há motivo para pânico? e plano de contingência pode conter o vírus

O ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou ontem ser "inevitável" a chegada do vírus da gripe suína ao Brasil. Mas ele destacou que o País está preparado para enfrentar a doença. "Estamos preparados caso ele chegue. O mais importante agora é a vigilância epidemiológica. Todo o sistema de alerta tem de estar preparado para que, se uma pessoa chegar com o vírus, possa ser atendida rapidamente." Na quarta-feira, o ministro afirmara que "seria irresponsabilidade dizer que a doença não vai chegar". O ministério anunciou ontem que o número de casos suspeitos de gripe suína no País passou de 4 para 7 pessoas. Os pacientes estão sendo acompanhados no Espírito Santo (1), Minas (3), Rio (1) e São Paulo (2). Os três casos novos são de Minas, Espírito Santo e São Paulo. Para que um caso seja classificado como suspeito é necessário que a pessoa tenha passado por área afetada pelo vírus, tenha febre alta repentina acima de 38°C e tosse e um ou mais dos seguintes sintomas: dificuldade respiratória, dor de cabeça, muscular e nas articulações. VOOS SEM RESTRIÇÃO Temporão descartou por enquanto o estabelecimento de restrições ao tráfego aéreo ou de pessoas vindas do México, onde se iniciou a epidemia de gripe suína que se espalha por outros países. "Estamos seguindo rigorosamente as recomendações da OMS, que ainda não fez nenhuma restrição nesse sentido (estabelecimento de barreiras ao trânsito de pessoas)", disse ele, depois de participar com o presidente Luis Inácio Lula da Silva da inauguração do Centro de Neurociências da Rede Sarah, no Rio. Outras 41 ocorrências (eram 42 no boletim anterior) estão sendo monitoradas, em 14 Estados. Essas pessoas estiveram em países com casos confirmados da doença, apresentam algum sintoma, mas não atendem à definição de suspeitas dos órgãos de saúde. Em todo o País, 17 casos foram descartados desde a terça-feira passada. Não há confirmação de brasileiros infectados pela doença. De acordo com a Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo,o homem de 60 anos, internado anteontem, que esteve em Miami e em Las Vegas, nos Estado Unidos, entre os dias 12 e 26 de abril ainda é tratado como suspeito. Ontem, uma mulher de 54, que passou recentemente por Cancun, no México, e apresenta dores musculares e tosse também foi enquadrada como suspeita. Ainda não se sabe quanto tempo ela passou em território mexicano. No entanto, a secretaria trabalha com a possibilidade deliberá-la em breve, pois seu quadro é estável e não apresenta outro sintomas. ESTOQUES Temporão voltou a afirmar que, apesar de o vírus não ter chegado à América do Sul, o Brasil tem estoques de medicamentos para tratar, inicialmente, até 9 milhões de pessoas. Ele admitiu que, após o alerta emitido pela OMS na madrugada de sábado, comunicando sobre o risco de uma pandemia, o Brasil teve alguns "probleminhas" no controle dos aeroportos, sem especificar quais, mas que na terça já estavam corrigidos. O ministro enfatizou que a população não precisa deixar de consumir carne suína e nem deve automedicar-se - o que aumenta a resistência do vírus a remédios. Temporão disse ainda que "não há motivo para pânico" e que, mesmo que a gripe suína chegue ao Brasil, há plano de contingência (apresentado pelo Estado ontem), capaz de controlá-la. À ESPERA DO H1N1 José Gomes Temporão Ministro da Saúde "Estamos preparados caso ele chegue. O mais importante agora é a vigilância epidemiológica. Todo o sistema de alerta tem de estar preparado para que, se uma pessoa chegar com o vírus, possa ser atendida rapidamente"