Seus problemas acabaram

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

O trabalho deles parece tirado de um caderno de empregos das Organizações Tabajara: é personal dancer, personal organizer, personal sex trainer, personal dog walker, personal iPoder e por aí vai. O cliente, para alguns, é gente preguiçosa. Mas, na maior parte das vezes, a falta de tempo é o que motiva a procura por um serviço exclusivo. Há também quem acredite que as pessoas que podem pagar por um personal - e quem tem um precisa poder - não estão a fim de dividir seus professores de dança ou de ginástica. Estão, de forma resumida, mais individualistas. ?A tendência pode tanto demonstrar um cuidado com a saúde como uma busca por status?, diz a psicóloga Leila Tardivo, do Instituto de Psicologia da USP. ?Às vezes, demonstra que a pessoa quer competir e mostrar que tem algo só para ela.? O personal trainer Luciano da Silveira arranjou uma maneira de tornar sua categoria - uma das pioneiras na área dos serviços personalizados - ainda mais exclusiva. Ele abriu uma academia, a Clinifit (3887- 8876), na qual o cliente escolhe a hora em que faz a aula, a música com a qual se exercita, se quer a aula em português ou inglês e até a atividade física que irá fazer. ?Eu vendo treinamentos e resultados, não o lado social?, diz Silveira. ?Aqui é um lugar de exclusão social, no qual a pessoa se concentra só nela.? Muitos dos clientes da Clinifit são gordinhos intimidados com o clima de ?Barrados no Baile? das academias-aquário. ?Gordos, segundo uma das minhas clientes, não são bem-vindos em academias normais?, diz Silveira. Os stylists Ainda na área do visual, os personal trainers foram seguidos pelos stylists. Os mais completos dão palpite sobre a roupas, o sapato, o acessório, a maquiagem, o modo de andar, de usar os talheres, os erros no português e qualquer outra coisa que possa fazer uma pessoa pular da lista dos mais bregas para o ranking dos mais chiques. O serviço básico inclui uma consultoria de estilo profilática, que tem o intuito de remediar aqueles erros de figurino que deixam até um leigo em moda cerrando os dentes. Quem olha as revistas de celebridades com mais atenção deve ter notado que Sabrina Sato está cada vez mais distante da imagem de mocinha com saia plissada do ?Big Brother Brasil?. ?Com certeza ela está mais sofisticada?, comemora o personal stylist Yan Acioli, que há um ano e seis meses procura tirar da Sabrina da vida real o ar de gostosa ultra-decotada da Sabrina do ?Pânico da TV!? ?Ela ficou estigmatizada com aquela imagem. Mas a Sabrina precisa se vestir daquele jeito na televisão?, diz Acioli. A tarefa é difícil, porque a moça tem uma sensualidade natural, mas ela se esforça. ?Fizemos um acordo, de misturar o lado brejeiro com um toque mais sofisticado?, diz Acioli. A mistura tem dado certo. Hebe até estranhou que Sabrina se vestiu demais para ir ao seu sofá - o vestido da moça ultrapassava o comprimento dos joelhos! A personal stylist Carolina Joswiak, de 28 anos, diz que não procura deixar seus clientes na moda. Apenas dá um estilo bem marcado à pessoa. Às vezes, o cliente procura o personal porque quer mudar de vida e não sabe por onde começar. É um serviço parecido com o de um terapeuta. ?Atendi uma moça que fez uma lipo e precisou mudar o guarda-roupa inteiro. De patinho feio ela passou a mulher sexy?, diz Carol. Ele abastece o seu iPod Outra vez, a vida real foi mais criativa do que as Organizações Tabajara. O produtor musical Dodô Azevedo garante que inventou uma nova categoria de personal. Há dois anos, ele é um iPoder, ou seja, ganha a vida enchendo o iPod dos outros com músicas. ?Não veio como uma idéia, mas como uma demanda?, diz ele. DJ em festas, ele sempre recebia elogios pelas músicas que tocava. Um dia, alguém pediu para Azevedo colocar no iPod algumas das músicas que ele tinha tocado na festa. Em pouco tempo, a novidade se espalhou entre os amigos do primeiro cliente. O sistema de cobrança usado pelo DJ é parecido com o de um personal stylist. O cliente paga pelas músicas, baixadas por Azevedo de sites como o da Apple ou do UOL, e uma parte do valor fica com o personal iPoder. Exatamente R$ 1 por música. ?Dá para tirar R$ 4 mil em um iPod de 4 giga de memória?, diz o produtor musical. Mas não é um trabalho tão simples. Demora até dez dias para ser feito. Além disso, ele faz entrevistas com o cliente - para saber mais sobre o gosto musical - , organiza coletâneas e até aulas de ópera, música erudita e jazz. ?Não acho meus clientes preguiçosos. Tem gente que não faz idéia de como baixar música, não tem tempo de ler blogs sobre músicas. É um trabalho que demanda um tempo que muita gente não tem?, diz o iPoder, que não aceita encher mais do que seis aparelhinhos por mês. Tempo livre é coisa tão rara e valorizada que ninguém quer desperdiçá-lo contemplando pilhas de macarrão instantâneo e latas de molho de tomate. Quem pode conta com a ajuda de uma personal organizer. Béth Soares (4191-1864) chama o trabalho que faz de in house. Com uma equipe própria, ela vai até a casa do desorganizado e ensina aos empregados como manter todos os cantos do lar em ordem. ?Quando alguém quer organizar a vida, deve começar pelos armários?, diz Beth. A empresária Daniela Junqueira, de 32 anos, deixou até de comprar sandálias douradas quando descobriu que tinha vários pares perdidos no armário. O local tinha virado o Triângulo das Bermudas, tamanha era a bagunça. Depois da arrumação de Béth, Daniela deixou de reclamar que ?não tinha nada para vestir?. Na dispensa e na cozinha Outro profissional exclusivo que organiza dispensas, geladeira e freezer é o personal chef. Debora Cordeiro (www.pratofeito.com.br) também dá aulas de culinária, organiza eventos, compras e treina equipes de cozinha. Quem procura o trabalho da chef? ?Donas de casa que precisam desenvolver novas técnicas para o dia-a-dia ou para dar aquele toque especial em seus pratos, namorados que querem presentear a pessoa amada, solteiros que querem perder o medo da cozinha ou mesmo profissionais e gourmets que desejam se manter informados?, diz Débora. Depois de uma refeição farta, quem quer se manter em forma pode procurar uma personal diet. Carolina Paiva de Freitas, do Santorini Spa, diz que seu trabalho vai além do feito por uma nutricionista - apesar de personal diet ser também nutricionista. ?Eu vou aonde a pessoa está?, diz Carol. A maior parte de seus clientes prefere assim porque realmente não tem tempo de ir até o consultório. A personal diet faz acompanhamento mensal ou quinzenal das dietas. Além disso, ela olha o que o paciente tem na dispensa e na geladeira e, por estar mais presente na casa da pessoa, tem mais chances de descobrir o porquê da engorda. ?Isso tudo depende da proposta. Só olho se a pessoa quiser?, diz Carol. A personal diet também mostra como deve ser a disposição dos alimentos nos armários e na geladeira e, se o cliente quiser, faz compras junto com ele. O personal não é só para seres humanos. Totós de executivos e empresários também podem ter um. Quando o dono é muito ocupado e quer dar uma rotina mais divertida para seus cachorros, contrata os serviços de um passeador. Na Dogwalker (5094 -0541), funcionários buscam cachorros de pessoas muito ocupadas em casa e ficam o dia inteiro passeando com eles. O serviço é cobrado mensalmente, de acordo com o número de dias que o cachorro passeia por semana. A advogada Rose Godoy, de 43 anos, não tem medo que Mel Gibson, de 5 anos, se apegue mais aos passeadores do que a ela. ?Sou apaixonada por ele e ele por mim. Mas ninguém aqui em casa tem tempo para sair com o Mel?, diz ela. Sócia da Dogwalker, Raquel Hama diz que só quem gosta muito do bichinho de estimação contrata este tipo de serviço. ?Geralmente são pessoas que trabalham das 7h às 22h. Algumas também querem que o cachorro tenha contato com outros animais?, diz Hama. Um casal de noivos, certa vez, pediu o serviço para poder se casar em paz na igreja. ?Devolvi os cães deles bem cansados, para eles poderem ir para a festa?, diz Raquel. O tal cuidado pessoal que a psicóloga Leila Tardivo destacou no começo da reportagem foi o que deu coragem à designer Rossana Pistelli, de 44 anos, para ligar para a personal sex trainer Fátima Moura (9162-7375). Rossana estava prestes a completar 40 anos de idade e quis espantar a famosa crise presenteando os amigos com um animado strip-tease. O evento fez tanto sucesso que Fátima virou sua consultora para assuntos ligados à auto-estima. ?Ela me resgatou?, diz a designer. Rossana diz que reaprendeu a andar, a ter postura, a se maquiar e a ser mulher novamente. ?Foi um dinheiro muito bem gasto. Funcionou mais do que um cabeleireiro ou uma plástica?, comemora Rossana. A relação sexual da designer com o marido também melhorou, mas isso é assunto só do casal. E de Fátima. ?Já teve cliente que me ligou do motel desesperada porque não tinha cadeira para fazer o strip-tease?, conta a personal sex trainer. Fátima a aconselhou a pedir o objeto na gerência do hotel. Se deu certo ou não, ela não sabe, mas a conselheira garante que já ajudou a melhorar a vida afetiva de muita gente. Cuidando das suas contas Sexo não é o único assunto íntimo e pessoal que as pessoas estão deixando na mão de terceiros. Já existe um tipo de especialista em dinheiro, o personal financeiro. O consultor financeiro Cláudio Boriola (www.boriola.com.br) dá orientações sobre como lidar da melhor maneira possível com o dinheiro para pessoas que não sabem fazer as verdinhas renderem. E ele garante que não são poucas. Mas, contratando os serviços do especialista, a família não estaria gastando mais? ?Nunca sou uma despesa a mais?, garante o especialista. Gastadores compulsivos recebem até ajuda de uma psicóloga, que trabalha junto com o personal financeiro. Depois de cuidar de tanto assunto sério, muita gente deve querer relaxar. Mesmo assim, há quem procure ajuda de um profissional para descansar ou se divertir. O funcionário público Edson Nakasone, de 35 anos, tem como hobby a dança. Ele ganha de R$ 150 a R$ 200 por três horas de dança - Nakasone trabalha para casas como a Dançata e Outros Que Tais (3078-1804). Nem sempre a mulher que contrata o personal dancer está encalhada. Muitas vezes é uma moça bonita, como Tatiana Saito, que aparece na foto com ele. O importante é que ele esteja disponível para dançar com ela e não pise em seus pezinhos. ?O personal dancer é contratado para dançar, não para ensinar?, explica Nakasone. Mas uma atividade que exige tanto contato pessoal pode acabar do jeito errado. Às vezes, alguma cliente passa alguma cantada do tipo ?você mexe comigo?. Nakasone se sai com um gingado digno de seu trabalho. ?Realmente eu adoro dançar.? A terapeuta corporal Beatriz Piva (9666-3489) é o que algumas pessoas chamariam de personal zen. Ela vai a casas e escritórios e realiza um trabalho de purificação. No caso dela, não teria como ir até Beatriz. ?Eu purifico até as paredes dos locais?, diz a terapeuta. O PERSONAL DOS SONHOS 1 - Personal protetor solar ?passator?: todo mundo sabe como é chato tentar passar o FPS nas costas. Com certeza um profissional desses faturaria mais do que os vendedores de coxinha e canga. 2 - Personal cafuné maker: poucos namorados têm paciência para fazer carinho no cabelo das amadas, por mais bem tratadas que as nossas madeixas estejam. Mas o profissional não pode parecer que está arando uma roça de milho. 3 - Personal chefe mala agüentator: paciência de Jó, este personal ajudaria qualquer funcionário a estar sempre disposto para agüentar o mau humor do patrão.