Rede federal tem 140 mil estudantes matriculados

- O Estado de S.Paulo

Criada em 2005 para capacitar professores da educação básica, a Universidade Aberta do Brasil (UAB), ligada ao Ministério da Educação, reúne cursos a distância oferecidos por 88 instituições de ensino superior, a maioria federais e estaduais, em 723 polos de apoio presencial. Atualmente, 140 mil alunos estão matriculados nos cursos de graduação, extensão universitária e especialização oferecidos em todas as regiões do País. A rede, gerida pelo governo federal, é formada por cursos independentes e elaborados pelos professores das universidades que aderem à proposta. A Universidade Federal de Alagoas, por exemplo, oferece, por meio da UAB, cursos de graduação a distância de Administração Pública e Matemática. Já a Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) tem licenciatura em Matemática e a Federal do Piauí, de Pedagogia. O programa pedagógico, o material didático e as formas de avaliação são responsabilidade de cada universidade, assim como o processo seletivo. Cada uma delas anuncia seu vestibular de acordo com um cronograma próprio - a única exigência é que o candidato tenha terminado o ensino médio. O diploma recebido no fim do curso a distância tem o mesmo valor de um emitido em curso presencial. O modelo da Universidade Aberta foi inspirado em um projeto criado no Estado do Rio em 2000, com base em um consórcio entre o governo do Estado, quatro universidades federais (UniRio, UFRJ, UFF e UFRRJ) e duas estaduais (UERJ e UENF). Chamado de Consórcio Cederj, ele foi elaborado para facilitar o acesso ao ensino superior da população que não tem condições de estudar no horário tradicional, por motivos de trabalho, e que mora em regiões onde não há instituições públicas. A universidade oferece o curso, o consórcio faz a gestão e as prefeituras garantem o polo presencial. Atualmente são oferecidos sete cursos a cerca de 11 mil estudantes.