Para usar sem vergonha

Agencia Estado - O Estado de S.Paulo

A questão é delicada, embora de delicadeza eles queiram distância. Pulseiras, anéis e colares costumam provocar cara feia em boa parte do público masculino, pedindo doses cavalares de precaução no trato do assunto. ´O homem brasileiro ainda tem muito preconceito contra jóias´, confirma Alberto Postai, dono da joalheria Postai Prata. ´É diferente do europeu, americano, japonês...´ Segundo o empresário, a maioria dos seus clientes barbados se restringe às classes jovem e praiana. ´Eles compram mais, até como um símbolo de rebeldia.´ O quadro fechado no ´underground´, entretanto, não contenta o setor, que há alguns anos aposta boas fichas na expansão da clientela. Os fabricantes investem em novos materiais - misturando metais com madeira e borracha - e criam designs mais arrojados - embora as linhas retas e o visual limpo ainda predominem. Ampliam o leque de opções para livrar as jóias masculinas do ranço de contravenção e ´lado B´ adquirido nos pulsos de bicheiros e ´alternativos´. As inovações já permitem até discussões sobre tendências. Na 38ª edição da Bijóias, realizada esta semana na Capital, vários expositores apresentaram propostas comuns de acessórios ´machos´ para o outono/inverno. ´Lançamos as pulseiras mais largas, em gomos, e a novidade pegou. A tendência continua nesta temporada´, contou Rinaldo Aparecido Mônaco, diretor da Connexion, marca que já tem 70% da produção de peças de aço voltada para os homens. O aço, aliás, é um dos materiais mais usados, ao lado da prata e do ouro branco. ´Peças prateadas combinadas com preto são as preferidas dos homens.´ Outras tendências fortes são as ´pulseiras-algemas´ e os anéis largos. Confira aqui algumas novidades. Serviço Postai Prata www.postaiecia.com.br; Connexion www.cnxbrasil.com.br; Philipines www.philipines.com.br; CR Jardins 3083-0301; Renata Bianchini www.renatabianchini.com.br