Para OMS, fechar escola pode conter gripe

Jamil Chade - O Estado de S.Paulo

Mas entidade alerta que a medida só é eficaz quando tomada no início do surto

A Organização Mundial da Saúde (OMS) acredita que o fechamento das escolas pode retardar a transmissão da gripe suína, mas alerta que a medida só é eficaz quando tomada no início do surto e em locais onde menos de 1% da população está infectado. Além disso, diz, o fechamento não terá nenhum efeito se as crianças continuarem se encontrando fora da sala de aula.

O polêmica sobre o fechamento ou não das escolas toma conta da Europa diante dos custos econômicos e sociais que pesam sobre a decisão. Ontem, a OMS emitiu recomendações para as escolas que retomam as aulas neste mês e divulgou novos números da epidemia: são 3,2 mil mortos, sendo 2,4 mil nas Américas, e mais de 277 mil casos já confirmados.

A entidade admitiu que as salas de aula são locais "ideais para a dispersão do vírus" e afirmou que as escolas precisam estar preparadas para adotar uma série de ações. Mas disse que cada país e cada situação exigem medidas diferentes.

Na avaliação da OMS, as autoridades locais devem analisar a situação e decidir pelo fechamento ou não de uma escola. "A OMS não pode fazer uma recomendação generalizada", diz o comunicado.

A OMS recomenda que alunos, professores e funcionários que se sintam mal não saiam de casa. Também orienta que os governos e as escolas estabeleçam planos para isolar aqueles que ficarem doentes durante as aulas e sugere a criação de um espaço próprio para isso.

Outra sugestão é aumentar as medidas de higiene. A organização afirma que as escolas precisam promover ventilação adequada dos ambientes, limpeza de mãos e "etiqueta respiratória", como orientar que os estudantes não espirrem nos colegas. Reduzir aglomerações também é indicado.

A OMS argumenta que o maior benefício do fechamento é a redução do ritmo de transmissão do vírus. Outro aspecto positivo é desafogar os serviços médicos quando eles estão saturados. "Ao fechar escolas, países ganham tempo em se preparar ou comprar vacinas e remédios", disse a OMS. Entre os problemas causados pelo fechamento, avalia a OMS, está o custo de exigir que os pais fiquem em casa para cuidar das crianças ou paguem alguém para estar com elas. Um estudo citado pela OMS aponta que a medida pode gerar 16% de faltas no trabalho na região. Outro custo seria o social, pois em muitos países os pais dependem das escolas para alimentar as crianças.

Para o presidente da Sociedade Brasileira de Infectologia, Juvêncio Furtado, as medidas da OMS são boas, mas é necessário que os professores estejam preparados para reconhecer os sintomas da gripe em seus alunos.