Oferta da disciplina será obrigatória em 2010, mas há falta de professores

- O Estado de S.Paulo

A seis meses de sua implementação total, a Lei Federal nº 11.161, sancionada em 2005 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, encontra poucas possibilidades de ser colocada em prática em todas as redes de ensino do País. Ela obriga que as escolas ofereçam aulas de espanhol, com matrícula facultativa, para os alunos do ensino médio. Para os estudantes de 5ª a 8ª séries do fundamental, é facultativa a oferta das aulas. Nas redes públicas, o ensino deverá ser no horário regular de aula. O processo de implantação foi gradativo desde 2005, mas deve estar disponível em todas as redes a partir de 2010. Segundo dados do próprio Ministério da Educação, apenas 15% dos alunos do ensino médio têm aulas do idioma atualmente. Entre estudantes das escolas particulares, o índice fica em 51%. Nas escolas públicas, são 11%. DÉFICIT Não há professores de espanhol formados em número suficiente para atender a demanda e os Estados ainda não criaram políticas de formação nem abriram concursos públicos. Além disso, muitas redes ainda têm dúvidas sobre a oferta do idioma. O Ministério da Educação elaborou um documento que esclarece o tema. A Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) prevê o ensino de um idioma estrangeiro no ensino básico. Em praticamente todas as escolas, acabou sendo o inglês esse idioma. Com a Lei 11.161, o espanhol se tornou uma segunda língua estrangeira obrigatória. Na prática, escolas que já oferecem inglês, devem oferecer espanhol de maneira facultativa.