Novo bispo assume posto hoje no Recifer

Angela Lacerda, RECIFE - O Estado de S.Paulo

D. Fernando Saburido substitui o polêmico d. José

O bispo d. Fernando Saburido, de 62 anos, considerado um pacificador e seguidor da linha do progressista d. Hélder Câmara - que o ordenou padre - assume hoje a Arquidiocese de Olinda e Recife. D. Fernando substitui d. José Cardoso Sobrinho que, nos 24 anos à frente da arquidiocese, desmontou a estrutura instalada pelo seu antecessor Hélder e protagonizou atitudes polêmicas. A última delas foi em março, quando condenou e anunciou a excomunhão de médicos e da mãe de uma criança de 9 anos, submetida a um aborto legal. A menina estava grávida de gêmeos, filhos do padrasto, que a abusava desde os 6 anos. "A chegada de d. Fernando é uma bênção", disse o pesquisador social Fernando Gonçalves, ex-presidente da Comissão de Justiça e Paz (CJP) - criada por d. Hélder e extinta por d. José. "Ele é profundamente ecumênico, vai ser aberto a todas as religiões, e já demonstrou que assume a função com o sentido de conglomerar, juntar o rebanho sem discriminação." "Da nossa parte, somos só alegria", reforçou o professor Alcides Restelli Tedesco, que como muitos outros leigos se engajaram na obra social e no trabalho das pastorais criadas por d. Hélder, um defensor dos direitos humanos na época da ditadura militar e pregador de uma igreja simples em prol dos mais pobres. Para Tedesco, d. José representou "um retrocesso". "Agora temos um pastor." D. Fernando Saburido, pernambucano que desde 2005 era bispo de Sobral, no Ceará, concede hoje entrevista coletiva e no fim da tarde celebra sua primeira missa - campal - como arcebispo de Olinda e Recife. Ele não falou com a imprensa na última semana, estava em retiro. Anteriormente, porém, já havia afirmado não ter planos prontos para a arquidiocese. Sua intenção é a de fazer uma assembleia com os padres, com o povo e identificar o que é mais urgente, ver "o que Deus está querendo". Nas suas palavras, d.José é mais ligado ao Direito Canônico, enquanto ele é mais pastoral - como o foi d. Hélder. D. José também não falou à imprensa nos últimos dias. Esteve igualmente em retiro. Ele havia apresentado sua renúncia no ano passado, quando completou 75 anos, em junho. Permaneceu no cargo por mais um ano, até o Vaticano indicar seu sucessor.